Indústria de máquinas tem queda de 11,6% em abril

Faturamento do setor foi de R$ 23,3 bilhões

O faturamento da indústria de máquinas e equipamentos no Brasil teve queda de 11,6% no mês de abril, em comparação com o registrado no mês anterior.

A pesquisa foi realizada pela Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), e foi divulgada na última quarta-feira (25). O montante total da receita da indústria no quarto mês de 2022 foi de R$ 23,3 bilhões.

De acordo com a associação, o recuo no índice de abril não corresponde ao crescimento de 18,2% registrado no mês de março.

“Apesar da queda do período, a expectativa de recuperação do faturamento em 2022 está mantida, dado o bom desempenho dos negócios”, disse a entidade.

Entre janeiro e abril deste ano, o setor industrial já apresentou baixa de 6,1% na receita líquida total, na comparação com o primeiro quadrimestre de 2021.

Ainda assim, o faturamento nos últimos 12 meses tem marca positiva, em 8,1%. Logo, os quatro primeiros meses deste ano indicam uma desaceleração do ritmo da atividade industrial, verificada no fim do ano passado.

A Abimaq também confirmou que os setores que mais impactam negativamente os investimentos são os ligados ao consumo familiar.

Um exemplo são as vendas de máquinas para bens de consumo, que registraram queda de 34,1% na comparação entre os quadrimestres de 2021 e 2022.

Entretanto, alguns setores também apresentaram melhora no desempenho em abril deste ano.

As exportações, por exemplo, ainda seguem em recuperação desde o último ano. O setor exportou US$ 899 milhões em equipamentos e máquinas em abril de 2022, valor 18,1% acima do registrado no mesmo mês de 2021. Além disso, as vendas para o mercado externo marcaram aumento de 31,2% na comparação anual.

Os destaques para a alta das exportações no País foram para a América Latina (32%), EUA (30%), e Europa (27,8%).

Em contrapartida, as vendas para a Rússia tiveram queda de 96% entre março e abril, consequência dos desdobramentos do conflito contra a Ucrânia.

Os setores agrícolas da indústria, por sua vez, permaneceram com a variação positiva de 8%, mesma média do mês anterior.