GOVERNO DA BAHIA - TERRA MÃE DO BRASIL

Ronaldo Jacaré, sobre luta contra Jan Blachowicz no UFC SP: “Eu ganhei, mas não levei”

Capixaba, que estreou com derrota por decisão dividida no peso-meio-pesado, valoriza equilíbrio do duelo diante do sexto colocado do ranking da categoria

“Ganhei, mas não levei”. Esta foi a sensação de Ronaldo Jacaré ao comentar, na coletiva de imprensa após o UFC São Paulo, realizado no Ginásio do Ibirapuera, no sábado, a derrota na decisão dividida para Jan Blachowicz. O campeão mundial de jiu-jítsu, que estreou no meio-pesado na luta principal desta edição, garante que venceu três rounds diante do polonês.

– Venci os três primeiros rounds. O quarto eu não sei, e o quinto, eu perdi. A vitória não veio, mas fizemos um bom trabalho. Vou sair fortalecido, peguei um cara super top na minha primeira luta nos meio-pesados. Fiz uma luta de cinco rounds. Eu ganhei, mas, infelizmente, não levei.

No octógono, instantes depois do anúncio do resultado da luta, Ronaldo Jacaré revelou que enfrentou uma coqueluche, porém minimizou os efeitos da doença em sua performance.

– O UFC me deu todo o suporte. Eu tinha avisado para o UFC que estava tossindo de uma forma que não parava em nenhum momento. Foi há 20 dias, fiz uma bateria de exames. Fiz tratamento como se fosse para alergia, mas o meu médico do Brasil pediu um exame para detectar… um nome esquisito. Segunda-feira foi meu último dia de antibiótico. Eu dava entrevista, às vezes, começava a tossir, e perguntavam se eu tinha alguma coisa. Eu dizia que não tinha nada. Isso não me atrapalhou. Fiz o máximo para lutar, a vitória não veio. Não foi uma luta bonita nem para mim, nem para ele (Blachowicz), mas acho que venci três rounds.

Embora tenha saído sem vencer em sua primeira luta após deixar o peso-médio, ele acredita que tem o que comemorar, afinal, travou cinco rounds equilibrados com Blachowicz, responsável por nocautear Luke Rockhold na estreia do ex-campeão na divisão de cima, em julho, e sexto colocado no ranking.

– Acredito que lutei bem contra um cara top, que estava nocauteando todo mundo. Ele sentiu a minha força, falou para mim que não conseguia sair da grade. Eu não consegui derrubar também, colocar meu jogo em prática. No quarto round parei de atacar porque machuquei a perna, o que me dificultou bastante.

Fonte: Canal Combate

Tele Coronavírus 155 começa a funcionar para atender a população gratuitamente na Bahia