GOVERNO DA BAHIA - TERRA MÃE DO BRASIL

IBGE: varejo permanece negativo há 23 meses na comparação interanual

Em fevereiro, apenas uma atividade escapou do vermelho: Tecidos, vestuário e calçados tiveram crescimento de 3,6%

A queda de 3,2% nas vendas do varejo em fevereiro ante o mesmo mês de 2016 mostra que a situação ainda é desfavorável para o comércio varejista, segundo Juliana Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi o 23º mês de desempenho negativo do volume vendido nesse tipo de comparação, de acordo com os dados da Pesquisa Mensal de Comércio.

“Fevereiro deste ano teve um dia útil a mais do que fevereiro do ano passado, mas esse efeito calendário não se refletiu em aumento do consumo”, observou Juliana.

Em fevereiro, apenas uma atividade escapou do vermelho: Tecidos, vestuário e calçados tiveram crescimento de 3,6%. Os combustíveis, as lojas de departamento e os produtos farmacêuticos puxaram a queda no varejo restrito ante fevereiro de 2016.

Os resultados negativos foram registrados por Combustíveis e lubrificantes (-8,5%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-7,7%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-5,1%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,3%); Móveis e eletrodomésticos

(-3,4%); Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-11,9%); e Livros, jornais, revistas e papelaria (-7,0%).

No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, a retração de 4,2% nas vendas teve forte impacto da redução no volume vendido de automóveis. O varejo ampliado acumulou em fevereiro 33 meses consecutivos de perdas nesse tipo de comparação.

Em fevereiro, o volume vendido de veículos e motos, partes e peças caiu 13,6%, enquanto material de construção diminuiu 2,0%.

 

Fonte: G1

 

 

Tele Coronavírus 155 começa a funcionar para atender a população gratuitamente na Bahia