GOVERNO DA BAHIA - TERRA MÃE DO BRASIL

CEPLAC/MAPA seleciona amostras de cacau para Salão do Chocolate em Paris/2017

A CEPLAC (Departamento da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA), nomeada como Comitê Nacional Organizador para o Brasil, pelo Programa Cacau de Excelência (CoEx) da Edição de 2017, recebeu 26 amostras de amêndoas de cacau fermentado e seco de produtores brasileiros dos estados da Bahia, Pará e Espírito Santo.

Atendendo a quota estabelecida pelo CoEx, a CEPLAC selecionou e enviou sete amostras para a França, para concorrer ao Premio Internacional de Cacau (ICA), que será celebrado no Salão do Chocolate em Paris que ocorrerá no período de 28 de outubro a 1º de novembro de 2017.

Foram selecionadas as amostras dos seguintes produtores, sendo 5 da Bahia, 1 do Espírito Santo e 1 do Pará:

CÓDIGO PRODUTOR LOCAL DA VARIEDADE

003/BA/2017 João Dias Tavares Bisneto Forastero Catongo

005/BA/2017 Fernando Botelho Lima Mix de clones trinitários e Forastero

007/ES/2017 Emir de Macedo Gomes Filho Mix de clones trinitários

018/BA/2017 Pedro Roberto Santos Magalhães Trinitário BN 34

019/BA/2017 Maria Ângela Cabral Magalhães Forastero Catongo

021/BA/2017 Pedro Spinola Mix de clones trinitários e Forastero

024/PA/2017 Ivan Ferreira Dantas Híbridos de Forastero

A pesquisadora Neyde Alice Bello M. Pereira, do Centro de Desenvolvimento e Capacitação Tecnológica da CEPLAC (Fábrica de Chocolate), explicou que as amostras foram selecionadas através de analises físicas, químicas, sensorial de aroma e prova de corte, e foram enviadas aquelas que receberam notas Excelente (classificação 1) e Boa (classificação 2); em caso de empate, escolhida amostra com mínimo de defeitos.

Ela informou também que “na capital francesa, todas as amostras recebidas dos países produtores de cacau participantes, serão transformadas em líquor de cacau, e avaliadas “às cegas” (sem identificação), por um júri de especialistas internacionais em análise sensorial. A partir dessa avaliação, serão selecionadas 50 amostras finalistas de alta qualidade que representem a melhor diversidade de perfis de qualidade e de sabores, de origens geográficas e genéticas. Essas amostras serão transformadas em chocolate os quais serão degustados às cegas por um júri profissional, (fabricantes de chocolate e comerciantes), por um júri público informado como jornalistas gastronômicos internacionais, representantes institucionais e pessoas com conhecimento no assunto; as melhores amostras receberão o Prêmio Internacional de Cacau (ICA), distinção sem valor monetário, no Salão do Chocolate”.

A pesquisadora concluiu dizendo que “a visão do Programa Cacau de Excelência (CoEx), é alcançar a profissionalização em longo prazo dos produtores, a sustentabilidade da cadeia produtiva do cacau, com reconhecimento, preservação, valorização da diversidade de cacau e a promoção internacional do cacau de alta qualidade. A participação no CoEx, oportuniza aos produtores a divulgação do cacau brasileiro de qualidade”.

Superintendência da CEPLAC/MAPA-BA

 

 

Tele Coronavírus 155 começa a funcionar para atender a população gratuitamente na Bahia