Biden se encontra com príncipe saudita Mohammed bin Salman

Líder norte-americano faz sua primeira viagem à Arábia Saudita

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, se encontra com o príncipe saudita Mohammed bin Salman Reprodução/Twitter @Badermasaker

Pouco menos de três anos depois de prometer tornar a Arábia Saudita um “estado pária” pela morte do jornalista Jamal Khashoggi, o presidente Joe Biden chegou ao reino na sexta-feira para reuniões com a liderança saudita – incluindo compartilhar um soco com o homem acusado de ordenando o assassinato de Khashoggi.

Biden chegou a Jeddah na sexta-feira e participou de uma reunião formal com o rei saudita Salman, mas – dada a deterioração da saúde do rei – a sessão de trabalho foi conduzida por Mohammed Bin Salman, o governante de fato do reino. A Casa Branca não reconheceu que Biden se reunirá diretamente com MBS até publicar a programação na noite de quinta-feira.

Ao chegar ao Palácio Real de Al Salam na sexta-feira, Biden e bin Salman trocaram socos e depois entraram em uma série de reuniões – um momento que simbolizou perfeitamente a mudança na atitude de Biden em relação ao príncipe herdeiro desde seus comentários de campanha em novembro de 2019.

Há semanas, Biden minimiza seu encontro com a coroa, o príncipe que os EUA dizem ter sancionado o assassinato de Khashoggi. O príncipe herdeiro negou envolvimento.

“Não vou me encontrar com MBS. Vou a uma reunião internacional e ele fará parte dela”, disse Biden a repórteres no mês passado.

Mas ele não se reunirá com outros líderes mundiais na cúpula do GCC+3 até sábado e sexta-feira permanecerá focado nos sauditas.

Autoridades da Casa Branca aceitaram que serão fortemente criticadas pela reunião, inclusive por membros do próprio partido de Biden, mas decidiram seguir em frente porque a consideram a opção mais prática, reconhecendo que é muito mais fácil trabalhar com os sauditas do que sem eles.

Embora nenhum anúncio explícito sobre o aumento da produção de petróleo seja esperado imediatamente após Biden deixar Jeddah, as autoridades antecipam que um pode ser anunciado nas próximas semanas, além do progresso no cessar-fogo no Iêmen.

A visita de trabalho de Biden à MBS é vista como uma chance de redefinir o relacionamento, e as autoridades dizem que, dependendo de como a reunião for, Biden pode começar a se comunicar diretamente com a MBS durante as ligações, o que ele se recusou a fazer até agora.

O presidente defendeu repetidamente sua decisão de viajar para a Arábia Saudita e se reunir com MBS, sustentando que seu governo quer liderar na região e não criar um vácuo para a Rússia e a China preencherem. Mas a viagem foi altamente escrutinada e a decisão de se reunir com MBS é um afastamento significativo da promessa de Biden na campanha de tornar a Arábia Saudita um estado “pária”.

Biden na Arábia Saudita

A viagem a Jeddah tem sido particularmente espinhosa para a Casa Branca desde que começou a se materializar no início deste ano, dada a promessa de campanha do presidente de tornar a nação um estado “pária” pelo assassinato de Khashoggi.

Na quinta-feira, Biden não se comprometeu a levantar o assassinato de Khashoggi diretamente com líderes na Arábia Saudita e disse que “sempre” traz à tona os direitos humanos e que suas opiniões sobre o assassinato foram “absoluta e positivamente claras”. Autoridades dos EUA disseram à CNN antes da viagem que Biden deveria levantar Khashoggi com a MBS.

Durante a noite, a Arábia Saudita confirmou um anúncio esperado de que seu espaço aéreo seria aberto para companhias aéreas israelenses. Biden elogiou a “decisão histórica” ​​que se seguiu a “meses de diplomacia firme”, observando que ele se tornaria o primeiro presidente dos EUA a voar de Israel para a Arábia Saudita.

A viagem ocorre em meio a altos preços do gás e inflação generalizada nos EUA e em todo o mundo, em parte devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, embora o presidente e outras autoridades tenham descartado o rico suprimento de petróleo da Arábia Saudita como um motivador fundamental para a viagem.

Um alto funcionário do governo disse que as reuniões com a liderança saudita se concentrarão no fortalecimento da trégua em andamento no Iêmen, cooperação tecnológica, incluindo 5G, energia limpa, infraestrutura global e direitos humanos, além de discutir o fornecimento global de energia.

Mas o funcionário sugeriu que os EUA, a Arábia Saudita e outras autoridades do Oriente Médio estariam falando sobre questões de segurança energética e que Biden se envolveria com os líderes mundiais para reduzir os preços do gás.

“Acho que a conversa está realmente focada, dadas as condições atuais do mercado, como vemos as coisas? Como vemos os próximos seis meses e como podemos manter os mercados equilibrados de uma maneira que contribua para o crescimento econômico contínuo? foco comum nosso, não apenas com os sauditas, mas com outros produtores”, disse o funcionário.

O funcionário acrescentou: “E, claro, o presidente disse há meses que fará todo o possível para baixar os preços. Isso inclui nossa liberação de Reserva Estratégica de Petróleo. Isso inclui diplomacia com outros produtores e inclui, é claro, nossa própria produção doméstica.”

Diante dos altos preços da gasolina e da inflação que cresce no ritmo mais rápido desde 1981, Biden precisa vender sua viagem no mercado interno como sendo do interesse do público americano. A Casa Branca disse que a visita “daria resultados para o povo americano”.

Mas o governo também está interessado em dissipar a noção de que o presidente está indo para a Arábia Saudita pedir por mais petróleo. A energia será discutida, já que a Arábia Saudita é a presidente do cartel de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seu maior exportador, disse a Casa Branca, mas esse não será o objetivo principal da viagem.

Biden na Cisjordânia

Mas antes de voar para a Arábia Saudita para a parte mais pressionada de sua viagem, Biden teve uma série de compromissos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia e vários anúncios de financiamento destinados a ajudar os palestinos.

Biden se encontrou com o presidente Mahmoud Abbas, da Autoridade Palestina na Cisjordânia, antes de seguir para a Arábia Saudita para a etapa final de sua viagem ao Oriente Médio. A reunião com o líder palestino ocorre enquanto Biden continua defendendo uma solução de dois Estados para o conflito israelense-palestino, embora ele diga que não vê tal acordo se materializando no “próximo prazo”.

Durante comentários após sua reunião com Abbas, Biden reconheceu que tal acordo “parece tão distante” e que “o terreno não está maduro neste momento para reiniciar as negociações”.

No entanto, ele também sugeriu que melhores relações entre Israel e nações árabes poderiam levar ao impulso para um acordo entre israelenses e palestinos.

“Acredito que neste momento em que Israel está melhorando as relações com seus vizinhos em toda a região, podemos aproveitar esse mesmo impulso para revigorar o processo de paz entre o povo palestino e os israelenses”, disse Biden.

Biden disse que a morte do jornalista palestino-americano Shireen Abu Akleh, que foi morto a tiros enquanto cobria uma operação militar israelense na Cisjordânia, foi “uma enorme perda para o trabalho essencial de compartilhar com o mundo a história do povo palestino”.

Biden fez comentários no Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém Oriental, anunciando que está pedindo ao Congresso que aprove até US$ 100 milhões para a Rede de Hospitais de Jerusalém Oriental. O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, cortou US$ 25 milhões em financiamento planejado para a rede durante seu mandato.

“Faz parte do nosso compromisso apoiar a saúde e a dignidade do povo palestino”, disse ele, e apontou o “pedágio difícil” da pandemia de Covid-19 no sistema hospitalar.

Ele continuou: “Trabalhando juntos, é minha oração que os Estados Unidos ajudem a aliviar o fardo da dívida do hospital e apoiem as atualizações de infraestrutura direcionadas, as principais reformas no atendimento ao paciente para garantir a estabilidade financeira a longo prazo”.

As reuniões seguem uma reunião na quinta-feira com o primeiro-ministro de Israel, Yair Lapid, que disse na sexta-feira que a visita do presidente mostrou seu “compromisso com a força militar e diplomática de Israel” e “comoveu todo o país”.

O presidente também anunciou na manhã de sexta-feira um adicional de US$ 201 milhões para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina para apoiar os refugiados palestinos na Cisjordânia, Gaza, Jordânia, Líbano e Síria, segundo a Casa Branca.

Biden disse que Israel se comprometeu a trabalhar com os palestinos para acelerar a implementação de uma rede 4G em Gaza e na Cisjordânia, com o objetivo de implantar essa infraestrutura até o final do próximo ano.

“Tem sido uma prioridade para o presidente Biden reconstruir os laços com os palestinos que foram rompidos pelo governo anterior”, disse o funcionário.

Biden dirá a Abbas que Israel concordou em aumentar a acessibilidade à Ponte Allenby para que palestinos e outros possam acessá-la 24 horas por dia, 7 dias por semana até setembro, disse o funcionário. A ponte é controlada por Israel e é o único ponto de passagem para a Jordânia para palestinos da Cisjordânia.

“Ele também anunciará medidas para construir apoio de base para a paz, inclusive apoiando a colaboração e intercâmbios profissionais entre os setores de saúde palestinos e israelenses enquanto trabalham para construir confiança mútua”, disse o funcionário.

Os EUA também fornecerão US$ 15 milhões adicionais em assistência humanitária aos palestinos em resposta à crescente insegurança alimentar provocada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Antes de partir para a Arábia Saudita, Biden também visitou a Igreja da Natividade “para enfatizar o apoio aos cristãos que enfrentam desafios em toda a região”, disse o funcionário.

(Publicado por Lucas Schroeder)