64% acham que Bolsonaro não merece se reeleger, diz EXAME/IDEIA

Pesquisa aponta que mais de 50% da população avalia negativamente o governo do atual presidente

Pesquisa EXAME/IDEIA: 47% dos entrevistados dizem que não dariam seu voto de jeito nenhum ao presidente Jair Bolsonaro (Adriano Machado/Reuters)

A rejeição do presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a níveis recordes. Para 64% dos brasileiros, o atual presidente não merece ser reeleito ao cargo de presidente da República. A última vez que dois terços do eleitorado rejeitaram Bolsonaro foi em novembro do ano passado.

Os dados são da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. A sondagem ouviu 1.500 pessoas entre os dias 9 e 13 de janeiro. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-03460/2022. Clique aqui para ler o relatório completo.

Nos últimos 12 meses, a rejeição de Bolsonaro está em movimento crescente. Em março do ano passado, o eleitorado estava dividido: 45% acreditavam que o atual presidente merecia ser reeleito – e 45%, não. Desde então, a rejeição está em trajetória ascendente e houve um distanciamento ente as duas curvas. Hoje, apenas 32% acham que Bolsonaro merece mais quatro anos no Palácio do Planalto.

Na pesquisa EXAME/IDEIA, outra forma de avaliar a rejeição de Bolsonaro é por meio da pergunta em quais pré-candidatos à eleição de 2022 o eleitor não votaria de jeito nenhum. 47% dos entrevistados dizem que não dariam seu voto de jeito nenhum a Bolsonaro. O segundo mais rejeitado é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 35% afirmam que não votariam no petista, que é seguido pelo governador João Doria (PSDB) com 20%, o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) com 17% e o ex-governador Ciro Gomes (PDT) também com 17% .

Os dados de rejeição de Bolsonaro dialogam com os baixos índices de avaliação e aprovação do governo. “Não chega a um quarto do eleitorado o número dos que avaliam o governo como bom ou ótimo. Ao mesmo tempo, mais de 50% dos eleitores seguem avaliando o governo negativamente”, diz Maurício Moura, fundador do IDEIA.

ELEIÇÕES 2022

Se as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente Lula receberia 41% dos votos no primeiro turno, seguido pelo atual presidente Bolsonaro, com 24%, e pelo ex-juiz Sergio Moro, com 11%. Já o ex-governador Ciro Gomes teria 7% dos votos e o governador de São Paulo, João Doria, receberia 4%.

Na pergunta espontânea, na qual não são oferecidos nomes de candidatos aos entrevistados, o ex-presidente tem 34% das intenções de voto. Houve um avanço de seis pontos percentuais de Lula em relação ao levantamento de dezembro, quando recebeu 28% das menções espontâneas. O presidente Jair Bolsonaro tem 20% das indicações na pesquisa espontânea, mesmo percentual registrado em dezembro.

Para Maurício Moura, a ascensão positiva de intenção de voto espontânea do ex-presidente Lula é um dos dados mais relevantes da atual rodada da pesquisa. “A pergunta espontânea dá a exata noção do engajamento do eleitor com o candidato, porque na pesquisa espontânea não é oferecida nenhuma alternativa para os entrevistados. A intenção de voto espontânea de Lula tem evoluído em regiões como Centro-Oeste, tem se fortalecido no Sudeste e até mesmo há saldos positivos em subsegmentos tradicionalmente aliados a Bolsonaro, como o dos evangélicos”, diz Moura.

Fonte: Exame

EU VÍI A EDUCAÇÃO GANHAR UM INVESTIMENTO RECORDE