Verão faz crescer empregos na capital baiana

Com a cidade tomada pelos turistas, setores de serviços, como bares e restaurantes, são os que mais empregam.

O verão em Salvador não é apenas um período de festas. É também, por incrível que pareça, de muito trabalho. E não apenas com os vendedores ambulantes, que desde ontem já começaram o processo de inscrição para as festas do Bonfim, Ribeira, Itapoã, Rio Vermelho e Carnaval. Mas também para o setor de turismo, que agrega outras 53 atividades econômicas em toda a cidade, no qual camareiras, garçons, seguranças e recepcionistas estão sendo contratados.

A geração de empregos em Salvador durante o verão, principalmente nos períodos de festas populares, contudo, não se restringe ao comércio informal regularizado pela Prefeitura,mas estende-se a outros 53 segmentos da economia que são atrelados ao turismo. Em pelo menos dois deles, hotelaria e bares e restaurantes, já se registra um crescimento que varia de 6% a 10% no número de contratações  somente no período de dezembro para cá.

Com a ocupação hoteleira beirando os 100% no período do Réveillon, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), secção Bahia, acredita que a geração de empregos possa ter um incremento de 10% no período. São empregos de garçons, camareiras, recepcionistas, segurança e pessoal de cozinha. “Felizmente estamos contratando, coisa que não fizemos nos dois últimos anos”, resumiu entusiasmado o presidente da entidade, Glicério Ramos.

Para o presidente da ABIH/BA, os mais de 400 estabelecimentos hoteleiros estão em situação de recuperação e tendem a crescer nas suas atividades e geração de emprego até o final do verão, não só apenas nos circuitos turísticos. Que vai de Stella Maris até o Centro Histórico, mas em toda a cidade. “O turismo é o setor da economia que dá o retorno mais rápido aos investimentos, e influi diretamente em outros 53 segmentos, movimentando a cadeia produtiva com emprego e renda, principalmente no setor de alimentação e entretenimento”, disse.

Contratação

O vice-presidente do Conselho Baiano de Turismo (CBTur), e presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação, Silvio Pessoa, também vê com otimismo o crescimento da geração de empregos com a chegada do verão. Para ele, mesmo com toda cautela antes os números, e por conta da recessão do ano passado, “é fato que houve uma reviravolta e o turismo pode gerar índices de crescimento de emprego entre 4 a 10%”, disse.

Para Pessoa, os impactos maiores são justamente no setor de bares e restaurantes, que pode chegar a índices de até pouco mais de 10%. No ano passado, o setor amargou o fechamento de mais de dois mil estabelecimentos em Salvador, enquanto o setor hoteleiro encerrou o ano com 20 hotéis de médio e grande porte fechados em Salvador. “Teremos pelo menos 60 dias de um bom período, que gera crescimento, mas precisamos montar estratégias para que depois do carnaval não venhamos a sofrer os mesmos impactos da crise que vimos no ano passado”, alertou.

Informalidade

No ano passado em Salvador, as festas do Bonfim, Itapuã, Rio Vermelho e Carnaval, geraram mais de quatro mil vagas  diretas no comércio de rua, formado por ambulantes e proprietários de equipamentos, como barracas e food trucks. Ontem a Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) abriu licitação eletrônica para quem quer se inscrever no comércio informal para trabalhar nas festas populares deste ano.

As vagas serão para vendedores ambulantes que usam caixa de isopor, barraqueiros, baianas do acarajé,e até mesmo foods truck. Cada setor pagará uma taxa de inscrição e terá direito a comercializar os produtos, de acordo com a natureza da atividade, em locais específicos, delimitados por tamanho e tipo de produtos, apenas nos dias das festas. Mesmo não se caracterizando com geração de emprego, a atividade do comércio ambulante se constitui em um importante complemento de renda família.

Olho no mercado Com os ventos soprando em uma nova direção e passado os primeiros momentos das festas de verão, os postos de atendimento do Simm e do SineBahia, serviços de intermediação de empregos administrados pela Prefeitura e pelo Governo do Estado, respectivamente, já registram um movimento  de procura por emprego bem maior que no final do ano. No mês passado o SineBahia   intermediou 4.302 vagas de empregos em todo o Estado, das quais 2.236 foram em Salvador.

Na central de atendimento do SineBahia,  na região do Iguatemi, uma média de 400 pessoas são atendidas diariamente, número semelhante ao atendimento que é feito pelo Simm, na Central do bairro do Comércio. Quem ali chega, começa a ser atendido mediante o uso de senhas, a partir das sete horas. No ano passado o Simm encaminhou 6.843 pessoas ao mercado de trabalho, através da unidade do Comércio e central e nas 10 Prefeituras bairros.

 

Por Adilson Fonsêca | Tribuna da Bahia
JIU JITSU FERNANDO MEIRA

Veja também