Rodovias baianas registram 43% menos mortes no feriado de Finados deste ano

Os números de acidentes, feridos e óbitos registrados em rodovias da Bahia registraram redução durante o feriado de Finados de 2021 em comparação ao mesmo período de 2020.

Os dados foram contabilizados pela Operação Finados, realizada pela Polícia Rodoviária Federal, que chegou ao fim às 23h59 desta terça-feira, 02.

Houve uma redução de 20% no número de acidentes totais, que em 2020 foi 56 e em 2021, 45. Destes, 14 foram acidentes graves, quando resultam em, pelo menos, um óbito ou ferido gravemente.

Do total de acidentes registrados, 46 pessoas ficaram feridas, número que representa uma redução de 30% em relação ao mesmo período do ano passado. Este ano, 08 pessoas morreram durante o feriado nas rodovias baianas, redução de 43% com relação ao ano anterior, quando 14 pessoas vieram a óbito.

Durante a operação, agentes abordaram e conscientizaram motoristas e passageiros a respeito de condutas prudentes no trânsito, a exemplo da importância do uso do cinto de segurança, da acomodação correta das bagagens, do bom estado de conservação e regularização do veículo e da obediência às leis de trânsito.

Foram fiscalizados um total de 8.188 veículos e 10.491 pessoas no período da operação, nos cerca de dez mil quilômetros de rodovias federais da circunscrição da PRF na Bahia.

Durante as abordagens, foram realizados 2.855 testes do bafômetro, o que resultou no flagrante de 80 motoristas que assumiram o volante depois de consumir bebida alcoólica. 

Segundo o artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro, a infração é gravíssima, passível de multa de R$ 2.934,70, sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. O valor da multa dobra se o caso for de reincidência nos últimos doze meses.

Houve também apreensão de 32kg de maconha, 31,7kg de cocaína e mais 1.944 comprimidos de ecstasy, que poderiam render quase R$ 6 milhões às organizações criminosas.

Fonte: A Tarde

Programa Estado Solidário