Ofensivo, conhecido do chefe e coringa: Régis Souza é apresentado no Bahia

Lateral-direito destaca apoio ao ataque como característica pessoal e aponta que também pode atuar na lateral esquerda.

A lesão de Wellington Silva deixou Eduardo como única opção para a lateral direita do Bahia. A falta de concorrência pela titularidade durou até a última semana, quando Régis Souza, de 28 anos, foi anunciado como reforço do Tricolor. Nesta terça-feira, ele foi apresentado na sala de imprensa do Fazendão e aproveitou para agradecer ao diretor de futebol, Diego Cerri, e ao técnico Jorginho, com quem trabalhou na Ponte Preta, em 2013.

– Quero agradecer ao Diego [Cerri] e ao Bahia pelo voto de confiança, dizer que me encontro feliz por essa oportunidade. Ele me deixou tranquilo para vir, e, com o aval do Jorginho, facilitou. Espero corresponder e não posso deixar a desejar com um treinador que foi especialista – comentou o jogador, ao lembrar que Jorginho também foi lateral-direito.

Régis Souza foi relacionado para o jogo contra o Palmeiras, no último domingo, e chegou até a levar um cartão amarelo no banco de reservas. No entanto, não entrou em campo para demonstrar ao torcedor como costumar atuar. Para satisfazer os curiosos, ele destacou suas características, a principal delas, o apoio ao ataque.

– Sou um lateral ofensivo, posso atuar tanto na direita como na esquerda e também na linha de frente. Espero corresponder à altura, fazer a alegria do torcedor. Venho para mostrar o meu trabalho e meu valor, não só para compor uma lacuna.

Lateral-direito de origem, Régis Souza destacou que pode cumprir outras funções dentro de campo. Atuar na lateral esquerda não é um problema para o jogador, que afirma ter potencial para ser uma espécie de “coringa”.

– Na Ponte Preta, já tive essa variação de posição, então essa questão de já ter trabalhado junto facilita muito. Ele [Jorginho] pode contar comigo na posição que ele achar interessante – declarou.

Régis Souza chega ao Bahia com contrato válido até o fim da temporada. Além da Ponte Preta, o lateral natural de Brasília também defendeu Goiás, Guaratinguetá, Paysandu, Botafogo, Guarani e Luverdense.

*Reportagem produzida com a colaboração do estagiário Rafael Teles.

Programa Estado Solidário