Lula assume candidatura à Presidência

O ex-presidente do Brasil, que está preso há dois meses por ter sido condenado por corrupção, divulgou um manifesto em que assume a candidatura pelo Partido dos Trabalhadores (PT) à Presidência da República.

“É para acabar com o sofrimento do povo que sou novamente candidato à Presidência da República. Assumo essa missão porque tenho uma grande responsabilidade com o Brasil e porque os brasileiros têm o direito de votar livremente num projeto de país mais solidário, mais justo e soberano, perseverando no projeto de integração latino-americana”, escreveu Lula na sua página oficial, da cadeia em Curitiba.

O manifesto foi lido integralmente em público na noite desta sexta-feira (8), em Minas Gerais, pela também ex-presidente Dilma Rousseff, durante o lançamento da pré-candidatura de Lula às eleições de outubro.

No entanto, a candidatura do ex-líder sindical é uma hipótese remota, uma vez que as leis eleitorais proíbem condenados em segunda instância, como é o caso, de concorrer a qualquer cargo público.

O antigo chefe de Estado foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, por corrupção e lavagem de dinheiro, num caso relacionado com o escândalo da Lava Jato, cumprindo pena há dois meses, em Curitiba.

No entanto, o PT mantém viva a esperança de uma candidatura presidencial de Lula, que aparece como favorito nas pesquisas, pedindo sua libertação, alegando que foi condenado injustamente. O partido lançou mesmo uma campanha para financiar a candidatura.

No manifesto, Lula volta a clamar inocência. “Há dois meses que estou preso, injustamente, sem ter cometido crime nenhum. Há dois meses estou impedido de percorrer o país que amo, levando a mensagem de esperança em um Brasil melhor e mais justo, com oportunidades para todos, como sempre fiz em 45 anos de vida pública”, refere.

“Não posso me conformar com o sofrimento dos mais pobres e o castigo que está se abatendo sobre a nossa classe trabalhadora, assim como não me conformo com minha situação”, diz Lula, que se apresenta como “preso político”.

O ex-sindicalista critica a política do atual governo, que na sua opinião protege os poderosos, e garante que sua eventual candidatura representa a “esperança em um Brasil melhor“.

“Um país em que todos possam fazer novamente três refeições por dia; em que as crianças possam frequentar a escola, em que todos tenham direito ao trabalho com salário digno e proteção da lei. Um país em que todo trabalhador rural volte a ter acesso à terra para produzir, com financiamento e assistência técnica”.

JIU JITSU FERNANDO MEIRA