Lula apela para empresários não apoiarem esquema de venda da Eletrobras

“Não embarquem nesse arranjo esquisito que os vendilhões da pátria do governo atual estão preparando”, disse o ex-presidente

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) utilizou as redes sociais, nesta quarta-feira (16), para fazer um apelo aos empresários do país. Por meio da rede social, o petista pediu que não apoiem a privatização da Eletrobras, ao qual chamou de “arranjo esquisito”.

“Eu espero que os empresários sérios que querem investir no setor elétrico brasileiro não embarquem nesse arranjo esquisito que os vendilhões da pátria do governo atual estão preparando para a Eletrobras, uma empresa estratégica para o Brasil, meses antes da eleição”, escreveu Lula.

Declaração do ex-presidente surge após o Tribunal de Contas da União (TCU) dar o primeiro aval para a entrega da estatal à iniciativa privada.

Por 6 votos a 1, o TCU avalizou os valores da desestatização do sistema Eletrobras, apesar do ministro revisor, Vital do Rêgo, ter apontado “erros grotestcos” no modelo de venda. Um deles é o próprio valor proposto e aprovado, de R$ 67 bilhões.

Para o ministro, o valor de venda da companhia deveria ser duas vezes maior do que o previsto na transação, ou seja, no mínimo, R$ 130 bilhões. Mesmo avalizado pelo TCU, o modelo de venda ainda está em análise.

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), a deputada federal Gleisi Hoffmann, também utilizou as redes sociais para protestar contra o aval do TCU.

“CRIME DE LESA PÁTRIA! TCU aprova privatização da Eletrobras, mas valor calculado pelo governo Bolsonaro foi contestado. Estatal estratégica brasileira que nem deveria ser vendida vale pelo menos R$ 130,4 bilhões, e não R$ 67 bi. O dobro do preço! Vamos à justiça!”, disse a deputada.