Ex-vice-prefeito de cidade na BA, que foi alvo na Lava-Jato, é morto a tiros

José Roberto Soares Vieira tinha 47 anos e foi baleado na entrada da empresa dele na região metropolitana de Salvador.

José Roberto Soares Vieira foi morto a tiros em Candeias, na região metropolitana de Salvador (Foto: Reprodução)

O Ex-vice prefeito de Ourolândia, cidade do norte da Bahia, José Roberto Soares Vieira, 47 anos, foi morto a tiros na entrada da empresa dele na manhã de quarta-feira (17), em Candeias, cidade da região metropolitana de Salvador.

Segundo a Polícia Militar, José Roberto também é empresário e havia sidodenunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) em dezembro de 2017, em uma das fases da Lava Jato que investigava pagamento de propinas.

De acordo com a PM, no dia do crime, testemunhas relataram à polícia que ele chegava à empresa do ramo de transportes, quando foi abordado por um homem que ofertava serviços de roçagem. Ao ser atendido pelo empresário, o suspeito sacou uma arma de fogo e disparou contra José Roberto. Após os disparos, o homem fugiu do local em uma motocicleta.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para socorrer a vítima, que não resistiu aos ferimentos e morreu no local. A motivação do crime ainda é desconhecida. A Polícia Civil investiga o caso.

Lava-jato

José Roberto Soares Vieira foi eleito vice-prefeito de Ourolândia em 2012 pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e completou o mandato. No final de 2017, foi alvo de denúncia da Operação Lava Jato apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF).

Na denúncia, o alvo principal foi o ex-gerente da Transpetro (subsidiária da Petrobras), José Antônio de Jesus que foi preso e que também havia sido sócio de José Roberto Vieira em uma transportadora. Os dois controlaram a empresa juntos até 2013.

Conforme a denúncia, Jesus e os familiares são suspeitos de negociar o recebimento de R$ 7,5 milhões em propinas pagas por uma empresa de engenharia em troca de ser favorecida em contratos com a subsidiária da estatal brasileira. Além disso, ele é investigado por repassar a propina a integrantes do Partido dos Trabalhadores.

O engenheiro civil, Adriano Silva Correia e o empresário e delator da Operação Lava Jato, Luiz Fernando Nave Maramaldo, também foram alvos da denúncia do MPF.

Fonte: G1
JIU JITSU FERNANDO MEIRA