Diretor da CIA pediu a governo Bolsonaro para não interferir nas eleições, dizem fontes

Comentários foram feitos em reunião a portas fechadas, em julho de 2021; autoridades americanas pediram que presidente pare de minar confiança no sistema eleitoral do Brasil

O diretor da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos disse a autoridades do Brasil, no ano passado, que o presidente Jair Bolsonaro deveria parar de lançar dúvidas sobre o sistema eleitoral do país antes das eleições de outubro, fontes disseram à Reuters.

Os comentários do diretor da CIA, William Burns, que não haviam sido reportados na imprensa até então, foram feitos em uma íntima reunião a portas fechadas em julho de 2021, de acordo com duas pessoas familiarizadas com o assunto – que falaram sob a condição de anonimato.

Burns era, e permanece sendo, a autoridade de mais alto escalão dos EUA a ter se encontrado em Brasília com o governo de direita de Jair Bolsonaro desde a eleição do presidente americano Joe Biden.

Uma terceira pessoa, em Washington, familiarizada com o tema confirmou que uma delegação liderada por Burns disse aos principais assessores de Bolsonaro que o presidente deveria parar de minar a confiança no sistema eleitoral do Brasil.

A terceira fonte não tinha certeza se foi o próprio diretor da CIA quem expressou essa mensagem [ou alguém da delegação].

A CIA se recusou a comentar o tema. O governo Bolsonaro não respondeu a um pedido de comentário sobre o caso.

CNN também entrou em contato com o Palácio do Planalto e a embaixada dos Estados Unidos no Brasil para comentar a reportagem, e aguarda retorno.