Demian analisa luta com Usman no Chile e revela: ‘Tendência é eu parar em 2019’

No último sábado (12), pelo UFC 224, o fã de MMA pôde acompanhar a última luta de Vitor Belfort pelo Ultimate, sendo derrotado por Lyoto Machida no segundo round do evento no Rio. Já neste sábado (19), pelo UFC Chile, outro grande representante do esporte no Brasil estará iniciando o seu ciclo rumo ao fim da trajetória como atleta no MMA. Com 40 anos, Demian Maia fará a luta principal do evento diante de Kamaru Usman e, vindo de duas derrotas consecutivas, quer a vitória para poder se recuperar na categoria meio-médio.

Com 25 vitórias e oito derrotas no MMA profissional, Demian luta pelo UFC desde 2007 e, em sua trajetória na organização, atuou no peso-médio e no meio-médio, onde está atualmente, enfrentando grandes nomes da modalidade. Para o duelo diante de Usman, o brasileiro renovou seu contrato com o Ultimate por mais quatro lutas – incluindo a deste sábado -, e em entrevista exclusiva à TATAME, revelou que seu plano é fazer os combates restantes até se aposentar, o que está programado para acontecer em 2019, segundo ele.

“Vou fazer 11 anos de UFC agora em 2018, sou muito grato a eles e muito orgulhoso do que fiz e construí nesses anos, mas sinto que está chegando a hora de dar um tempo. Farei as lutas restantes do contrato, pretendo lutar esse ano ainda e no próximo ano, mas a tendência é que eu pare, sim, em 2019. Já estou com 40 anos e tenho outros planos para a minha vida que também quero concretizar”, disse o renomado faixa-preta de Jiu-Jitsu.

Veja outros trechos da entrevista com Demian Maia:

– Motivo de aceitar a luta com pouco tempo de preparação

Já aceitei esse tipo de luta (com pouco tempo de preparação) contra o Anderson Silva e o Tyron Woodley, lógico, por serem lutas pelo título, mas também pelo fato de serem grandes desafios para a minha carreira. Na minha opinião, isso é o que motiva mais o lutador, a questão do desafio. Para essa luta contra o Usman, tem a questão de ser o primeiro evento do UFC no Chile, o segundo na América do Sul, antes só foi realizado no Brasil. Será um evento histórico, então isso motiva bastante também, pelo menos a mim.

– Preparação ao aceitar o duelo faltando poucas semanas

Eu sou um cara oriundo do Jiu-Jitsu, então não tem muito isso de camp, de preparação… A gente está sempre em treinamento, procurando se manter ativo, isso ajuda bastante. O que muda é a estratégia em relação a cada atleta, ao estilo de luta, entre outras coisas.

– Análise do combate contra o embalado Kamaru Usman

Eu já enfrentei lutadores que estavam até mais embalados que ele, também já estive nessa situação dele de não perder há muitas lutas, então eu já passei por tudo isso, em todos os sentidos. É um garoto que está animado, nunca perdeu no UFC e, com certeza, vai tentar partir pra cima. Estou preparado para o que surgir e estou confiante na vitória. Minha experiência vai ser importante e também me sinto bem, saudável e consciente.

JIU JITSU FERNANDO MEIRA