Defesa de Lula vai à ONU para evitar prisão de ex-presidente

Advogados argumentam que ainda não foram esgotados todos os recursos à que a defesa tem direito e que a decretação da prisão é irregular.

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apresentaram um pedido de medida cautelar à Organização das Nações Unidas (ONU) denunciando o que definem como “prisão arbitrária” do petista.

Eles argumentam que ainda não foram esgotados todos os recursos à que a defesa tem direito e que a decretação da prisão é irregular.

   A defesa do petista espera que a entidade se manifeste pedindo a suspensão da medida.

 

DESPACHO

 

Na quinta (5), o juiz Sergio Moro mandou o ex-presidente Lula se apresentar à Polícia Federal em Curitiba até as 17h desta sexta-feira (06). A decisão foi tomada após o magistrado receber ofício do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), autorizando a prisão.

Lula foi condenado por Moro no caso do tríplex de Guarujá em julho de 2017. Em janeiro, os juízes do TRF-4 confirmaram a condenação e votaram por aumentar a pena do petista para 12 anos e um mês de prisão.

   Em seu despacho, Moro afirmou que está “vedada a utilização de algemas em qualquer hipótese“.

O juiz informou que foi preparada uma sala reservada para o início do cumprimento da pena do ex-presidente, “em razão da dignidade do cargo ocupado“.

 

‘PATOLOGIA PROTELATÓRIA’

 

Em sua decisão, o juiz de Curitiba criticou a possibilidade do uso de recursos judiciais para adiar o cumprimento de pena.

   “Hipotéticos embargos de declaração de embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico“, afirmou.


Edição Bell Kojima/Repórter Coragem

 

Veja também