Caminhoneiros fecham rodovias baianas contra aumento do diesel

Protestos acontecem nas BRs 324, 101 e 116

Caminhoneiros fecharam trechos da BR-324, da BR-116 e da BR-101 desde a madrugada desta segunda-feira, 21. O protesto faz parte de um movimento nacional contra o aumento do preço do diesel.

A manifestação na BR-324 acontece no km 531, em Feira de Santana (a 109 km de Salvador). O fluxo está totalmente fechado no sentido de quem segue para Salvador e parcialmente na direção contrária.

Para quem vai para o interior da Bahia, apenas a faixa da direita está bloqueada, causando congestionamento de 12 quilômetros, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Caminhoneiros também fecharam a BR-116 no km 521, em Itatim, no km 814, em Vitória da Conquista, ambos no sudoeste da Bahia. Também há mobilizações na BR-101 em dois trechos: no km 672 em Jequié e no 920 em Nova Viçosa.

O diretor do Sindicato dos Caminhoneiros, Luciano Oliveira, disse que os trabalhadores baianos aderiram ao movimento convocado pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam). “Todo dia está aumentando o preço do óleo diesel. Aumenta o dólar, aumenta o barril de petróleo e depois o óleo diesel. O protesto também é contra os preços cobrados nos pedágios, que é abusivo”, explica.

Na última sexta, 18, a Petrobras aumentou pelo quinto dia seguido o preço do diesel. O reajuste, que entrou em vigor neste sábado, 19, foi de 0,80% e é uma consequência do mercado internacional.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o preço médio do diesel nas bombas de combustível teve alta de 8% no ano. Atualmente, o valor está acima da inflação acumulada em 2018, de 0,92%, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os atos acontecem também em outros estados, como Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul.

Atos nas rodovias baianas fazem parte de um movimento nacional

Frete

Além da manifestação nas rodovias, os caminhoneiros baianos também estão mobilizados desde o último dia 12 de maio pedindo reposição no preço do frete pago pelas empresas que atuam no Porto de Salvador. “Eles pagam R$ 600 de frete, mas com os sucessivos aumentos de óleo gastamos R$ 380 de combustível; ou seja, mais de 50% do frete. Só que não é só isso, também temos que fazer manutenção no caminhão e pagar a documentação”, reclama Luciano.

JIU JITSU FERNANDO MEIRA