Bahia é batido pelo Flamengo e segue sem vencer fora de casa

Segue o tormento. Nem a mudança do esquema ajudou, e o Bahia, mais uma vez, perdeu fora de casa. Desta vez, o algoz foi o Flamengo, que derrotou o tricolor por 2 a 0 no Maracanã, nesta quinta-feira, 31.

O técnico Guto Ferreira até deixou claras suas intenções defensivas no início, colocando Régis como ‘falso 9’, mas a incapacidade de concluir os contra-ataques no primeiro tempo acabaram sacramentando outro fracasso longe de Salvador. Exatamente quando tentava jogar por uma bola, o Esquadrão levou os dois gols da partida. Nos 45 minutos finais, acuando o Flamengo, esbarrou em belas defesas de Diego Alves, que salvou o time carioca.

Agora, o Bahia volta suas forças para mais uma partida difícil, contra o Grêmio, no domingo, às 16h, na Arena Fonte Nova.

Cinco minutos fatais

O Bahia começou disposto a sofrer. Aos 6 minutos, Paquetá chutou forte de longe, obrigando Anderson a fazer uma defesa difícil. Na cobrança de escanteio, novo lance perigoso: uma jogada ensaiada do rubro-negro terminou com um chute colocado de Jonas, que passou perto do travessão tricolor.

Depois dos sustos, o Bahia passou a marcar melhor em sua intermediária, irritando o Flamengo e partindo para boas triangulações pelas laterais. Apesar disso, só conseguiu um chute fraco de Gregore. Aos 37, João Pedro — melhor jogador do Bahia na partida — fez troca rápida de passes e entrou na área, mas foi travado.

Três minutos depois, porém, uma falha coletiva entregou o primeiro ao clube carioca: Diego tocou e infliltrou para receber de Renê. O lateral chutou, mas a bola caiu nos pés do camisa 10. O goleiro Anderson parou no lance, e Diego quase entrou de bola e tudo: 1 a 0.

Questionado pela reportagem do canal Premiere, o arqueiro tricolor deu uma justificativa pouco convincente para o fato de ter ‘congelado’ na jogada. “Desisti não. Renê chutou, Diego tropeçou na bola, não sei o que ele fez. Eu deitei o corpo, e ele fez o gol“, disse. Resta saber o que é “deitar o corpo” para Anderson, já que ele continuou em pé no lance.

O gol desestruturou o tricolor. Apenas cinco minutos depois de o Flamengo abrir o placar, Paquetá e Renê tabelaram, e o meia rubro-negro tocou por cima de Anderson para fazer o segundo.

Na segunda etapa, o Bahia foi para cima: nos segundos iniciais, Zé Rafael chutou de fora da área e Diego Alves espalmou. Aos 9, Zé cruzou na área e Régis pediu pênalti após carga de Léo Duarte. Apesar de se abrir a contragolpes, o tricolor adiantou a marcação de maneira similar a quando joga em casa e melhorou muito.

Aos 24, João Pedro, de canhota, mandou a bola muito perto do gol. 14 minutos depois, Zé Rafael chutou forte, Diego Alves defendeu e Élber, para variar, perdeu ótima oportunidade.  A ofensiva tricolor na etapa final mostrou que dá para bater de frente com os grandes, mas também deixou claro que precisa de pontaria para incomodar fora de casa.

 

Por Felipe Paranhos | A Tarde UOL
JIU JITSU FERNANDO MEIRA