PIRAÍ DO NORTE

57% dos profissionais da área de saúde já sofreram violência no trabalho

Profissionais da área que trabalham em número reduzido, sob forte pressão e nem sempre nas melhores condições de estrutura.

De um lado, uma população carente e ávida por bons serviços de saúde e atendimento, principalmente quando mais necessitam e que na maior parte do tempo não encontram. Do outro, profissionais da área que trabalham em número reduzido, sob forte pressão e nem sempre nas melhores condições de estrutura. O resultado desse verdadeiro barril de pólvora é o aumento da violência e agressões, principalmente do usuário do sistema de saúde para com médicos e enfermeiros em todo o país.

De acordo com uma recente pesquisa realizada pelos Conselhos Regional de Medicina e Enfermagem de São Paulo – Cremesp e Coren-SP, respectivamente – apontou que quase 60% dos médicos e aproximadamente 55% dos enfermeiros já haviam sofrido algum tipo de violência no trabalho. Além disso, outro levantamento – feito pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) em parceria com a Fiocruz – destacou que apenas 29% dos profissionais da área de enfermagem se sentiam seguros no ambiente de trabalho em todo o território nacional.

Este último dado faz parte do “Perfil da Enfermagem no Brasil”, realizado em 2013 e que traçou um panorama deste trabalhador em todo o país. Aqui na Bahia, onde existem cerca de mil 115 profissionais atuando, os dados revelaram que apenas 26,5% dos entrevistados afirmaram que tinham proteção contra violência no ambiente de trabalho. Dos tipos mais sofridos, entre verbal, física e psicológica, 65,6% disseram que a última era a mais freqüente. Para 67,1% dos ouvidos na pesquisa, a situação vivida acabou gerando um desgaste profissional.

“Vemos esta situação com muita preocupação. Essa exposição intensa acaba se agravando por conta das condições ruins de trabalho a qual estamos submetidos e, por outro lado, o usuário quer fazer valer os seus direitos. Nós somos cerca de 60% da força de trabalho na área de saúde e ficamos na linha de frente em contato com o usuário por praticamente 24 horas”, afirmou a presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA), Maria Luiza Almeida.

Para o vice-presidente do Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb), Júlio Braga, os locais mais perigosos atualmente para os médicos trabalharem estão nas unidades de emergência e nas unidades de perícia do INSS. “Em algumas dessas unidades deveriam ter detectores de metal para evitar a entrada de determinados objetos durante a perícia. Como forma de nos precavermos, muitos já estão avisando aos segurados que a resposta sobre a perícia só será dada posteriormente, diante da incompreensão por uma eventual perda do benefício pelo usuário”, disse.

Segundo eles, os tipos de violência mais comuns sofridos por estes profissionais nos ambientes de trabalho são de origem verbal, psicológica e física. “Soubemos de um caso de um policial que agrediu um enfermeiro por conta da fuga de uma pessoa que estava custodiada e recebendo atendimento no hospital. Outro caso foi em Juazeiro, onde um promotor, que não havia se identificado como tal, agrediu uma enfermeira por ela ter se negado a dar um prontuário de um paciente”, falou Maria Luiza.

Contudo, apesar de ser uma realidade mais comum no serviço público de saúde, os representantes do Cremeb e do Coren-Ba afirmam que casos de violência contra profissionais da área têm ocorrido no setor privado. “A insegurança é geral. A carência, a demora no atendimento e as filas acabam gerando uma situação de estresse. Muitas vezes, acuado, o médico acaba atendendo aquele paciente que grita mais, em detrimento daquele que, de fato, está em uma situação mais grave”, pontuou Braga.

Maior policiamento
Para Maria Luiza e Júlio Braga, o atual quadro de insegurança tem feito com que muitos profissionais peçam afastamento, entrem em depressão, utilizem substâncias psicoativas e até mesmo cometam suicídios. Por outro lado, eles apontam uma subnotificação no número de casos, pois nem todos os agredidos prestam queixa da violência junto à Delegacia. Uma razão seria o medo de perder o emprego, o que levaria a uma “acomodação” neste sentido.

“Nós tentamos ajudar nesta situação de denúncia, apesar de termos como objetivo a fiscalização do exercício profissional. Em situações extremas, até proibimos o médico de trabalhar no local onde sofreu a agressão. Recomendamos também que ele procure a Delegacia para prestar queixa e nós vamos até o diretor-técnico da unidade para saber se algo está sendo feito, de fato, para coibir novas ações”, disse o vice-presidente do Cremeb, Júlio Braga.

Tele Coronavírus 155 começa a funcionar para atender a população gratuitamente na Bahia