UFC 268 e Canelo x Plant: por que sábado é o ‘maior dia do ano’ no mundo das lutas

No sábado, veremos, sem dúvida, a maior noite de luta do ano. Canelo Alvarez, o boxeador peso por peso nº 1 do mundo, pode se tornar um campeão mundial indiscutível pela primeira vez em sua carreira ao enfrentar Caleb Plant em uma luta de unificação dos super-médios no MGM Grand Garden Arena em Las Vegas. Do outro lado dos Estados Unidos, em Nova York, o UFC 268 apresenta três lutas dignas de destaque no pay-per-view em cima de um card empilhado no Madison Square Garden.

Soa familiar?

Dois anos atrás, neste fim de semana, Alvarez lutou com Sergey Kovalev em uma luta pelo título dos meio-pesados ​​no MGM Grand em Las Vegas, enquanto o UFC 244 – encabeçado por Jorge Masvidal x Nate Diaz – assumiu o MSG em Nova York.

Em teoria, fins de semana como este deveriam ser raros. Para alguns fãs, a escolha será fácil – assistir um ao outro. No entanto, em uma era onde qualquer telefone ou computador pode servir como uma segunda tela, muitos fãs de crossover boxe e MMA escolherão os dois e desfrutarão de uma incrível noite de entretenimento. Mas alguns fãs, devido a questões de tempo ou orçamento, terão que fazer uma escolha.

A pergunta que devemos fazer é se deve ou não haver uma escolha. Há uma quantidade finita de bens imóveis em um ano – 52 sábados, a noite típica para um grande card de luta. Mas quantos eventos no calendário de boxe ou MMA se comparam à qualidade que cada esporte deve oferecer no sábado?

O boxe pode se orgulhar de seu nome com sua maior estrela, Alvarez, que lutará contra um adversário com o qual “nunca teve tanto rancor”. Muito disso decorre de todos os insultos que Plant lançou a Alvarez em sua entrevista coletiva de setembro que levou a dupla a trocar golpes. Plant, que chamou Alvarez de dopado e mirou em seu amado treinador, Eddy Reynoso, emergiu com um corte no rosto, sob o olho direito.

A briga se tornou viral e só aumentou a visibilidade para o retorno de Alvarez no pay-per-view nos EUA. É sua primeira luta exclusivamente disponível nesse formato desde a revanche de 2018 contra Gennadiy Golovkin. Sempre que o ícone mexicano luta – não importa o oponente – é uma espécie de Super Bowl para o esporte.

Plant é invicto e americano, o que sempre ajuda a vender pay-per-views nos EUA. Ele também é um boxeador talentoso que possui um jab excelente e mãos rápidas.

No outro córner, a milhares de quilômetros de distância, a luta principal é uma revanche entre Kamaru Usman e Colby Covington pelo título meio-médio do UFC. A luta encabeça um card UFC 268 empilhado.

“Não estou dizendo que esportes de combate competitivos naquela mesma noite nunca atrairão nosso público, mas em termos de apelo dos fãs sobrepostos, não acho que haja fãs de Canelo preocupados com Colby Covington e vice-versa”, disse o presidente da Showtime Sports Stephen Espinoza, que também transmite o Bellator.

“Sem dúvida, há algum cruzamento”, acrescentou ele, “mas se você olhar para os tipos de eventos, os dados demográficos, não estamos relativamente preocupados em perder [nosso] público.”

“Os fãs de boxe não são burros. Tenho novidades para os promotores: o show acabou … Eles estão sofrendo com algumas porcarias nas undercards e adivinha? Não há porcarias nas eliminatórias do UFC. Cada uma dessas lutas pode ser de vida ou morte, cada uma dessas lutas pode ser uma guerra”.

“Não estamos preocupados com o momento de qualquer outro evento competitivo”, disse Espinoza. “Canelo Alvarez é de longe a estrela nº 1 do boxe nas bilheterias. Não estaríamos fazendo justiça ao seu evento se estivéssemos colocando seu público na arena, e na televisão, em um atraso e meio que comprometendo o espectador e experiência dos fãs para acomodar algum outro evento acontecendo em todo o país”.

Mais de 730 dias se passaram desde que Alvarez e Kovalev pareciam à beira de adormecer à espera de sua vez de entrar no ringue. Desta vez, Canelo certamente não estará esperando por ninguém. Mas um pouco de prudência provavelmente teria beneficiado a todos os envolvidos.

Fonte: EsPN

Programa Estado Solidário