Presidente da Câmara de Camaçari defende vereadores e nega corrupção

Dos 21 vereadores, 20 foram denunciados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA)

A Câmara de Vereadores de Camaçari reabriu os trabalhos ontem em meio às denúncias de corrupção que envolvem os edis do município. Dos 21 vereadores, 20 foram denunciados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA). Além disso, o órgão pediu a prisão do vice-presidente da Casa, José Paulo Bezerra (PTB), conhecido como “Zé do Pão”. Os legisladores são acusados de associação criminosa e peculato (apropriação de recursos públicos). Em discurso, o presidente da Casa, Oziel Araújo (PSDB), que também está sendo investigado, defendeu os vereadores. “Em nenhum momento foi feito nada de má fé por parte dos vereadores e do presidente desta Casa. É importante registrar também que algumas pessoas têm tentado tirar proveito político dessa situação e, de alguma forma, têm tentado mobilizar a sociedade de Camaçari contra a Câmara de Vereadores”.

Confirme já informado, a denúncia foi oferecida pelo promotor de Justiça, Everardo Yunes, que também ajuizou ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra os vereadores e 18 servidores comissionados do Legislativo municipal. Segundo o MP-BA, os edis aprovaram em 2017 uma lei que aumentou os seus salários em R$2.578,45, mas o pagamento dos novos valores foi suspenso por decisão judicial. Por meio de manobra, os integrantes da Câmara exoneraram servidores comissionados e nomearam no mesmo dia com salários maiores.

No discurso, Oziel Araújo afirmou que todos os atos foram executados seguindo a Lei Orgânica do Município: “Em seis anos que acompanho esses vereadores, não posso apontar, independente da bandeira partidária, nada que abone suas condutas, nada que fuja das suas responsabilidades que tenham com a cidade de Camaçari. Infelizmente, hoje, em virtude da velocidade da comunicação, se dissemina a informação e nem sempre temos o mesmo espaço para que possamos nos justificar dos nossos atos”. Durante a primeira sessão do ano, do lado de dentro do plenário, o público aplaudia os vereadores em apoio. Já do lado de fora, protestos.

Sobre as denúncias, o vereador disse que não há provas. “Todas as denúncias apontadas são ilações. Não foram apresentadas provas, a não ser as publicações que eu mesmo como presidente fiz ao Tribunal de Contas do Município”. O prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo (DEM), defendeu os vereadores das acusações. “Não tem nenhuma manobra porque o próprio Ministério Público disse que não tem provas contundentes. Foi em cima de suposições. Eu ouvi umas 10 vezes a fala do promotor e na própria fala dele ele fala que não tem prova contundente”, afirmou.

Por Henrique Brinco | Tribuna da Bahia

Veja também