GOVERNO DA BAHIA - TERRA MÃE DO BRASIL

Onda de demissões pode atingir 30 mil professores de escolas particulares na Bahia

Sem perspectiva para o fim da pandemia, docentes relatam preocupação com futuro da categoria: “Milhares passando fome”

Em junho, quando soube de seu desligamento, Ivânea Costa, 37, ouviu da direção da escola onde trabalhava, em Salvador, uma justificativa que se tornaria recorrente durante a pandemia: sem perspectiva de retorno das aulas presenciais, as demissões na rede privada de ensino serão inevitáveis.

Professora de educação infantil (etapa que atende crianças de 0 a 5 anos), ela só não esperava que o cenário fosse se agravar em tão pouco tempo.

Até o fim de 2020, cerca de 30 mil docentes que atuam no segmento particular deverão perder seus empregos somente na Bahia, projeta a Fenep (Federação Nacional de Escolas Particulares). Segundo a entidade, a estimativa leva em conta um baque financeiro diante da lei que obriga as escolas a concederem 30% de desconto nas mensalidades enquanto perdurar a crise sanitária.

Em âmbito nacional, os dados atuais são ainda piores: ao menos 300 mil professores da educação básica já foram demitidos até agora.

Para Ivânea, embora necessárias, as medidas de isolamento social adotadas para conter o avanço do vírus afetaram drasticamente o segmento. Houve, segundo ela, uma espécie de efeito dominó, em que não foram poupados de donos escolas a pais de alunos.

Ivânea Costa foi demitida no fim de junho (Foto: Arquivo Pessoal)
Ivânea Costa foi demitida no fim de junho (Foto: Arquivo Pessoal)

“Isso se deu por causa da saída de muitas crianças, principalmente dessa faixa etária que eu trabalhava, de 1 e 2 anos. Os pais foram tirando cada vez mais à medida em que foi se intensificando essa necessidade do isolamento, de ficar um longo período em casa. Muitos pais também perderam o trabalho. Muitas famílias tiveram uma redução significativa da renda, e aí foi ficando difícil pra todo mundo. Para escola, pras famílias manterem as crianças e, por consequência, também ficou difícil pra mim como trabalhadora”, avalia ela, que trabalhava na instituição há quase 4 anos.

Em meio as discussões sobre uma possível retomada das aulas presenciais ainda neste ano, Ivânea diz não acreditar num eventual restabelecimento das atividades antes de 2021, ainda que haja adoção de protocolos preventivos.

“Eu acho um pouco difícil, principalmente para crianças muito pequenas. Eu acredito que, enquanto não houver uma vacina de fato, essa retomada seja bem lenta e só ocorra a partir do ano que vem”, opina a professora.

Enquanto não se recoloca no mercado, Ivânea diz tirar lições da pandemia. “Acho que essa pandemia também me ensinou que é precisos ser flexível. Não dá pra ter controle de tudo na vida”, resigna-se.

Embora não haja uma data pré-estabelecida para o retorno das atividades escolares em território baiano, a prefeitura e o governo do Estado afirmaram ao bahia.ba que estão prontos para o retorno das aulas, mediante adaptações sanitárias nas unidades –as diretrizes relativas à rede privada são de responsabilidade do município.

‘Sindicato é uma vergonha’

Sob a condição de ter o nome preservado, uma professora demitida recentemente relatou ao bahia.ba que o Sinpro-BA, sindicato que representa a categoria no estado, virou as costas para os docentes.

A profissional afirma que muito colegas estão passando dificuldades financeiras a ponto de não terem o que comer. Por isso, ela se diz a favor do retorno imediato das aulas.

“Esse sindicato é uma vergonha. Milhares de professores e professoras passando fome, demitidos e nada fazem pela categoria só ficam de ‘notinhas’ no Instagram. Vamos lutar pelos direitos desses trabalhos. O prefeito abre bares e shopping e o governo libera shows, mas a escola ele diz que não pode porque é risco? Onde contamina mais? Em um show ou em uma sala de aula? Acorda sindicato. Vamos voltar às origens e realmente defender os trabalhadores e trabalhadoras”, desabafou.

bahia.ba tenta ouvir o Sinpro-BA desde a última segunda-feira (31). A reportagem ligou para um telefone fixo e para o número de um celular que constam no site da entidade como serviço de plantão, mas as chamadas não foram atendidas. Também deixou um pedido de entrevista por meio de uma rede social. Até a publicação deste texto não houve retorno.

Tele Coronavírus 155 começa a funcionar para atender a população gratuitamente na Bahia