UFC 213

Mark Hunt quer dar nome a cláusula de proteção contra o doping no MMA

Neozelandês diz que manterá ação legal contra o UFC até o fim para receber a bolsa de Brock Lesnar no UFC 200, que foi flagrado em dois antidopings antes do evento.

Mark Hunt quer dar nome a cláusula de proteção contra o doping no MMA

Mark Hunt quer que a bolsa de Brock Lesnar no UFC 200 seja revertida para si (Foto: Evelyn Rodrigues)

Se há uma coisa que não se pode dizer de Mark Hunt é que ele foge dos desafios que aparecem em sua frente. Criado por um pai que o espancava e abusava sexualmente de sua irmã, e tendo enfrentado os maiores lutadores da história do MMA, o peso-pesado neozelandês disse, em entrevista à “Submisson Radio” que está dando andamento ao processo judicial que move contra o UFC para receber integralmente a bolsa que foi paga ao seu adversário no UFC 200, Brock Lesnar.

Hunt alega que, por ter sido flagrado em dois exames antidoping feitos pela USADA antes do evento, Lesnar não poderia ter lutado, já que estaria infringindo as regras da organização, e também pôs sua integridade física em risco. Segundo o lutador, ele recebeu do UFC a promessa de que Lesnar lutaria “limpo”, sem uso de substâncias ilegais, o que não aconteceu. O americano venceu a luta por decisão unânime dos juízes, mas a Comissão Atlética de Nevada acabou declarando-a “sem resultado” por conta do episódio.

– O motivo pelo qual eu processei o UFC foi eu ter falado com Dana após o UFC 200 e ter dito o seguinte: “Preciso que vocês façam as coisas direito. Vocês me prometeram que Brock Lesnar estaria limpo.” É o que eu sempre falo sobre essa questão dos esteroides: é ilegal, e nenhum lutador deveria usar. Eu fiz de tudo antes de entrar com uma ação legal. Pedi que eles corrigissem isso de outra forma, e eles não fizeram nada. Não tive escolha a não ser tomar medidas legais juntamente com o meu advogado. Não vou continuar a lutar contra dopados. Por que eu deveria? Enfrentei dopados durante a maior parte da minha carreira.

Para Hunt, a gota d’água foi a luta contra Brock Lesnar no UFC 200, mas o peso-pesado não esconde a insatisfação por seus dois adversários anteriores ao evento histórico também terem sido flagrados pelo controle antidoping: o brasileiro Antônio Pezão, no UFC 193, em Mebourne, na Austrália, e o americano Frank Mir, com quem fez a luta principal do evento realizado no dia 19 de março de 2016, em Brisbane, também na Austrália.

Brock Lesnar e Mark Hunt se enfrentaram no UFC 200, em Las Vegas (Foto: Evelyn Rodrigues)

– Três vezes seguidas! Enfrentei três caras dopados em sequência. Qualquer um, no meu lugar, faria a mesma coisa. E haveria um quarto, se eu tivesse lutado em Melbourne contra Josh Barnett. Porque sou sempre eu que pego o rabo do foguete? Sempre eu? Eu não deveria ter que aceitar essa droga. Isso não tinha nem que estar acontecendo. A solução deveria ter sido dada há muito tempo. A gota d’água foi Brock Lesnar. A verdade é que a empresa errou, ele errou, e ele vai ter que pagar por isso. Por que eu tenho que subir lá e me ferrar sem ter feito nada de errado?

Perguntado se haveria alguma possibilidade de retirar a ação que está movendo contra o UFC, Hunt garantiu que levará a questão até o fim, e revelou seu objetivo: a criação de uma “cláusula Mark Hunt” em todos os contratos de atletas não só com o UFC, mas também com outros eventos.

– Claro que eu quero que isso tudo seja passado a limpo. Vou até o fim. Esses caras vão ter que começar a fazer as coisas direito, não apenas comigo, mas com os contratos de todos os lutadores. Quero que haja uma “cláusula Mark Hunt” em todos eles. Quero que esteja escrito lá que, se você for pego dopado, toda a sua bolsa irá para o seu adversário. E, se os dois estiverem dopados, nenhum deles receberá nada. Tem gente que diz: “Por que você não fica com 80% e bla-bla-bla…?” Eu pergunto: “Então eu perder a minha vida vale 80% da bolsa?” Não! Eles não devem receber nada. Trapaceiros não merecem ganhar nem um centavo.

A primeira audiência acontecerá nesta segunda-feira, dia 22 de maio, e a tendência é que algumas alegações do lutador sejam negadas, mas há a possibilidade de outras serem aceitas. O UFC pode oferecer um acordo financeiro a Hunt, mas se o lutador não aceitar, existe a chance de haver uma sequência longa de recursos de parte a parte, o que fará com que o veredito final possa levar alguns anos para ser dado.

UFC Nova Zelândia
10 de junho, em Auckland
CARD DO EVENTO (até o momento):
Peso-pesado: Derrick Lewis x Mark Hunt
Peso-médio: Derek Brunson x Daniel Kelly
Peso-mosca: Tim Elliott x Ben Nguyen
Peso-mosca: John Moraga x Ashkan Mokhtarian
Peso-leve: Daniel Hooker x Ross Pearson
Peso-meio-pesado: Ion Cutelaba x Henrique Frankenstein
Peso-leve: Damien Brown x Vinc Pichel
Peso-pena: Alexander Volkanovski x Mizuto Hirota
Peso-meio-médio: “Maestro” Dong Hyun Kim x Thibault Gouti
Peso-meio-médio: Kiichi Kunimoto x Zak Ottow
Peso-meio-médio: Luke Jumeau x Dominique Steele
Peso-palha: J.J. Aldrich x Nadia Kassem

 

Fonte: Canal Combate

 

Veja também