UFC

Lava Jato tenta obrigar Andrade Gutierrez a delatar filho de Lula

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato tentam forçar um acordo de delação premiada que envolva o filho mais velho de Lula, Fábio Luiz Lula da Silva.

Integrantes do grupo de investigação mandaram o seguinte recado a negociadores da Andrade Gutierrez: se Lulinha, como é conhecido, e sua empresa Gamecorp não entrarem nos depoimentos do grupo, não haverá acordo de delação premiada ou leniência, que prometem conceder benefícios à empresa.

Segundo reportagem da Folha, os investigadores querem saber por que a Oi, controlada pela Andrade, entre outras empresas, investiu na empresa do filho mais velho de Lula. A suspeita é de que Sergio Andrade, presidente do conselho administrativo do grupo, tenha acertado pagamentos à Gamecorp para facilitar o acesso à cúpula do PT e a Lula.

Isso porque a empresa, que é de Minas Gerais, tem ligação histórica com o senador Aécio Neves e sua família. O grupo se tornou sócio da Cemig na gestão do mineiro no Estado. Sérgio Andrade também é citado como negociador de acertos em obras do setor elétrico e suposto pagador de propina ao tucano.

A Telemar, antigo nome da Oi, investiu R$ 5,2 milhões na Gamecorp em 2005. O substituto de Sergio Andrade na presidência do grupo, Otávio Azevedo, que foi preso e participou do acordo de delação de 2015, afirmou que o investimento seguiu critérios de mercado, e não políticos.

O caso que a Lava Jato quer envolver o filho de Lula sequer tem relação com a Petrobras.

 

Veja também