Inflação é a maior para outubro desde 2002 e chega a 10,67% em 12 meses

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação oficial no país, foi a 1,25% em outubro, após ficar em 1,16% em setembro. O índice registrado no mês foi 0,09 ponto percentual maior do que o mês anterior, sendo a maior variação para outubro desde 2002.

No acumulado de 12 meses, a inflação chega a 10,67%, bem acima da meta estabelecida pelo Banco Central para este ano, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ou seja, podendo variar entre 2,25% e 5,25%. No mês anterior, o acumulado de 12 meses atingiu a marca de 10,25%.

Em outubro do ano passado, a variação mensal foi de 0,86%. No ano, o IPCA acumula alta de 8,24%.

Os dados foram divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e se referem às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, abrangendo dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Aumento de 42% nos combustíveis

Foi registrada alta nos nove grupos de produtos e serviços analisados pelo IBGE no mês de outubro. “O maior impacto (0,55 p.p.) e a maior variação (2,62%) vieram dos Transportes, que aceleraram em relação a setembro (1,82%)”, explicou o instituto. De acordo com o IBGE, o impacto nos Transportes ocorreu em razão da alta no preço dos combustíveis. “A gasolina subiu 3,10% e teve o maior impacto individual sobre o índice do mês (0,19 p.p.). Foi a sexta elevação consecutiva nos preços desse combustível, que acumula altas de 38,29% no ano e de 42,72% nos últimos 12 meses. Além disso, os preços do óleo diesel (5,77%), do etanol (3,54%) e do gás veicular (0.

Programa Estado Solidário