CARNAVAL 2024

Governo da Bahia avalia que ressarcimento à Ford sobre fábrica alvo da BYD é de cerca de R$150 mi, diz governador

SUV elétrico Atto 3 fabricado pela montadora chinesa BYD no Reino Unido© Thomson Reuters

SÃO PAULO (Reuters) – O governo da Bahia tem uma avaliação preliminar de que o valor a ser ressarcido à Ford pela retomada da fábrica de veículos alvo do interesse da chinesa BYD em Camaçari gira em torno de 100 milhões a 150 milhões de reais, afirmou nesta quinta-feira o governador Jerônimo Rodrigues a jornalistas.

A Ford divulgou na semana passada um acordo para reverter a propriedade de seu complexo industrial em Camaçari para o Estado da Bahia, afirmando que o processo ocorrerá mediante o ressarcimento de investimentos realizados pela montadora na área.

Na ocasião, a montadora norte-americana não divulgou o valor que seria cobrado do governo baiano pela devolução da unidade. Desde pelo menos o ano passado, Ford, BYD e governo da Bahia têm travado discussões paralelas sobre a fábrica fechada pela montadora norte-americana em Camaçari em 2021.

A BYD tinha expectativa de anunciar já no final do ano passado um acordo definitivo para a instalação de um complexo fabril formado inicialmente por uma fábrica de carros elétricos, que seria ampliado para a inclusão de linhas de produção de ônibus e caminhões elétricos e também para montagem de baterias para os veículos.

“Estamos na fase de fazer uma avaliação do valor que eles investiram para a gente poder ressarcir (à Ford) e já ver com a BYD qual a condição de entrega (do complexo de Camaçari)”, afirmou o governador a jornalistas. Segundo ele, o terreno ocupado pela Ford pertence ao Estado. A Caixa Econômica Federal foi contratada pelo governo da Bahia para realizar a avaliação do ressarcimento, disse o governador.

Logo da Ford© Thomson Reuters

“Foi um valor que a gente ouviu sobre a negociação (entre Ford e BYD). Então, para nós, vai ser um parâmetro”, afirmou o governador. Procurada no Brasil, a Ford não pôde comentar o assunto de imediato. 

Segundo o governador, a expectativa é que a BYD possa dar o pontapé inicial a investimentos da ordem de 3 bilhões de reais no Estado em outubro, quando o presidente global da marca, Wang Chuanfu, virá ao Estado para o lançamento da pedra fundamental da fábrica.

“O compromisso que ouvimos da BYD é esse”, disse Rodrigues, acrescentando que a produção poderia começar entre outubro e novembro do próximo ano. “Vamos tentar fazer um esforço para que eles possam antecipar o prazo de início da produção.”

Paralelamente, o governo da Bahia está buscando junto a outros Estados do Nordeste e Centro-Oeste a prorrogação dos incentivos fiscais concedidos ao setor automotivo nessas regiões, de 2025 para 2032, algo que por ora não está contemplado na reforma tributária.

“Não estamos olhando só para a BYD, é claro que a BYD já está bem encaminhada, mas gostaríamos que esta reforma tributária pudesse criar um ambiente favorável para a negociação. Estamos dialogando com nossa bancada, com o Partido dos Trabalhadores, com o governo federal, para ver com os senadores, para tentar nos ajudar”, afirmou Rodrigues.

“Se não for 2032, pelo menos que a gente tenha um fôlego para quem venha a investir agora”, disse o governador, sugerindo a possibilidade de prorrogar o regime de benefícios fiscais para até 2025 ou 2027.

“O que a BYD colocou para a gente, a gente está atendendo”, disse o governador, citando ainda discussões para que o porto de Aratu, que fica próximo ao polo industrial de Camaçari, possa ser utilizado também pela montadora chinesa para seus processos de importação de insumos e exportação dos veículos finalizados.

O conselheiro especial da BYD no Brasil, Alexandre Baldy, ex-ministro das Cidades, afirmou que se não for possível renovar os benefícios fiscais por um período mais longo “poderá haver surpresas” quanto ao valor a ser investido pela empresa na Bahia.

Questionado sobre o interesse da empresa no Brasil, especialmente em um momento em que o mercado automotivo tem sofrido com demanda reduzida e juros elevados que dificultam as vendas, Baldy afirmou que a companhia considera o país como seu principal foco de investimento fora da China.

“Queremos o Brasil como um hub de produção na América do Sul de veículos elétricos e híbridos”, afirmou, comentando que apesar das complexidades do Brasil, a empresa segue interessada em investir no país.

Em outubro passado, a BYD e o governo da Bahia assinaram um memorando de entendimento para um investimento de 3 bilhões de reais no Estado em cinco anos. A expectativa era de que o acordo fosse concluído até dezembro do mesmo ano, mas até hoje a empresa não definiu o local oficialmente.

Em julho deste ano, a empresa anunciou planos de construir um complexo industrial em Camaçari durante um evento na Bahia e disse que a instalação vai abrigar uma fábrica de carros elétricos com o objetivo de ter uma capacidade de produção de até 150 mil unidades por ano após futuras expansões.

Em julho deste ano, a empresa promoveu um evento na Bahia afirmando que vai erguer um complexo industrial em Camaçari (BA) e que a instalação vai abrigar uma fábrica de carros elétricos com objetivo de ter capacidade de produção de até 150 mil unidades por ano após expansões.

Uma unidade de montagem de baterias e outra de chassis de ônibus e caminhões também serão instaladas no complexo, segundo a companhia, que atualmente concentra operações no Brasil em Campinas (SP) e em Manaus.

Fabricante de carros, caminhões e ônibus elétricos, além de baterias para outras montadoras e produtos como módulos fotovoltaicos, a BYD hoje disputa com a norte-americana Tesla a liderança global na produção de carros elétricos.

No início do mês, a BYD anunciou vendas de 262.161 veículos em julho. O volume é maior que o licenciamento de veículos de todas as montadoras no Brasil, que no mês passado emplacaram 225,6 mil unidades no país.

No acumulado do ano, a montadora chinesa teve vendas de 1,5 milhão de veículos, mais que os licenciamentos de todas as fabricantes de veículos do Brasil no mesmo período — de 1,22 milhão de unidades, segundo dados da associação do setor, Anfavea.

CARNAVAL 2024

Veja também

NOVA BAHIA