NOVA BAHIA 2024

Estado estima economia de R$ 100 milhões e mira novos mercados com fim da vacinação contra aftosa

Bahia conclui uma jornada de 146 ciclos de imunização, protegendo um rebanho estimado em 13 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos

A Bahia, um dos estados que mais se destacam na pecuária nacional, posicionado entre os 10 maiores rebanhos do Brasil, celebra a conquista histórica da suspensão da vacinação contra a febre aftosa, que tem o potencial de abrir portas para novos mercados. Com a última campanha de vacinação contra a Febre Aftosa realizada em abril, o estado conclui uma jornada de 146 ciclos de imunização, protegendo um rebanho estimado em 13 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos. Os produtores terão até o dia 17 de maio para declarar a vacinação e informar a geolocalização das propriedades pelo site www.adab.ba.gov.br ou em um dos 376 escritórios da Agência nos 27 Territórios de Identidade.

Desde 1968, os produtores baianos têm mantido um compromisso com a saúde animal, alcançando índices vacinais superiores a 90% nos últimos 20 anos. Este esforço colaborativo entre a cadeia produtiva e o governo, por meio da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), culminou na suspensão da vacinação a partir de maio de 2024, após receber a nota 9,3 do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) – a mais alta entre 17 estados da Federação.

De acordo com o secretário da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia, Wallison Tum, este é “um momento histórico para a Bahia e para toda a nossa comunidade agropecuária. O fim da vacinação contra a Febre Aftosa não é apenas o término de um ciclo de imunizações, mas o início de uma nova era para a pecuária em nosso estado. Com a suspensão da vacinação, celebramos o resultado de décadas de trabalho árduo, dedicação e colaboração entre os produtores e o governo estadual”.

“A economia de cerca de 100 milhões de reais por ano em custos de vacinação e manejo do rebanho é uma vitória significativa. Mas mais do que isso, é a abertura de novos mercados para a carne da Bahia que nos enche de orgulho e expectativa. Estamos prontos para mostrar ao mundo a qualidade e a sustentabilidade da nossa produção”, declarou o diretor-geral da Adab, Paulo Sérgio Luz.

Impacto Econômico e Expansão de Mercados

A certificação como Zona Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação representa uma economia direta significativa para o estado e os produtores, estimada em cerca de 100 milhões de reais por ano. Essa economia advém da redução de custos com a aquisição de vacinas e manejo do rebanho. Além disso, a nova classificação sanitária permite a abertura de novos mercados e adiciona valor às exportações de carne da Bahia, fortalecendo o parque agroindustrial do estado.

Preparação e Vigilância

A Adab, com uma equipe de 172 médicos veterinários e 376 escritórios municipais, tem sido uma presença constante em quase todas as cidades baianas, garantindo a execução do Serviço Veterinário Oficial. A agência já iniciou a vigilância sorológica para demonstrar a ausência do vírus da Febre Aftosa, alinhando-se com as diretrizes da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) e do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA).

Futuro Promissor. Com a obtenção do Certificado Internacional de Zona Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação, a Bahia se posiciona para fortalecer sua produção de proteína animal, garantindo mais desenvolvimento e um futuro próspero para a população. Este é um passo significativo não apenas para o estado, mas para todo o Brasil, que avança no reconhecimento internacional como um país livre da doença sem vacinação

Veja também