Cidade de jogo entre Brasil e México vive dias de Copacabana

Rio Volga é a grande atração da região, que recebe turistas latinos

Praia na região central de Samara, na Rússia, recebe turistas brasileiros e mexicanos

Samara – Às margens do Rio Volga e com temperatura na casa dos 30ºC, Samara tem vivido seus dias de Copacabana. Nesse sábado, com os termômetros chegando aos 32ºC durante a tarde, a extensa faixa de areia da região central da cidade ficou mais uma vez lotada de russos, brasileiros e mexicanos  – que começam a chegar –, além de colombianos que ainda estão na cidade depois da vitória sobre Senegal, por 1 a 0, quinta-feira.
O Volga é a grande atração de Samara. Ele é um dos rios mais importantes da Rússia e banha outras três cidades que recebem jogos do Mundial: Kazan, onde o Brasil joga as quartas de final caso passe pelos mexicanos, Nizhni Novgorod e Volgogrado, que durante o período soviético receia o nome de Staliningrado. O rio se estende por mais de 3,6 mil quilômetros, nascendo no norte da Rússia e desaguando no Mar Cáspio. Ele tem importância comercial por integrar, por meio de canais, os mares Báltico, Cáspio e Negro.
Para a história russa, o rio tem enorme significado. Foi nele que as forças soviéticas começaram a derrotar os alemães, entre julho de 1942 e fevereiro de 1943 – período conhecido como Batalha de Stalingrado e que é considerado o ponto de virada para a vitória dos aliados na Segunda Guerra Mundial, que os russos chamam de Segunda Guerra Patriótica.
VERÃO

Fim de tarde em Samara, às margens do Volga, um dos principais rios da Rússia

No verão, que começou oficialmente em 21 de junho, as margens do Volga fica cheia em Samara, com os russos tomando sol, jogando vôlei de areia e comendo milho verde – uma das comidas mais consumidas nas praias. Samara é uma das cidades mais quentes entre as cidades-sedes. A previsão é de até 35ºC durante o jogo do Brasil nesta segunda-feira, que será às 18h no horário local (11h, de Brasília).
JIU JITSU FERNANDO MEIRA