Brasileira flagrada em exame antidoping é suspensa e demitida do UFC

Sarah Frota teve contrato rescindido após ser pega com esteroide.

Brasileira-flagrada-em-exame-antidoping-%C3%A9-suspensa-e-demitida-do-UFC Brasileira flagrada em exame antidoping é suspensa e demitida do UFC

A passagem de Sarah Frota pelo peso mosca do UFC foi rápida. Suspensa por dois anos pela Agência Antidoping dos EUA, a USADA, após ter sido flagrada em exame de urina com a substância estanozolol, esteroide anabolizante que aumenta a massa muscular, ela teve o contrato com o Ultimate Fighting Championship cancelado. 

Sarah Frota foi testada no dia 27 de julho deste ano, depois da luta contra Gillian Robertson no UFC 240, em Edmonton, no Canadá. A brasileira foi batida por nocaute técnico no segundo round e perdeu a segunda na franquia – ela estreou com revés ante Livinha Souza, por decisão unânime, em Fortaleza. Ao confirmar o resultado do exame de urina que apontou o doping da brasiliense, a Usada soltou uma nota oficial sobre o caso.

“Frota Lima (Sarah), de 32 anos, testou positivo para múltiplos metabólitos de Estanozolol, como resultado de uma amostra de urina em competição que ela forneceu em 27 de julho de 2019, após o UFC 240 Edmonton (Canadá), onde ela perdeu por nocaute técnico”, escreveram os funcionários da USADA na declaração.

O UFC, depois de comunicado sobre a punição, logo divulgou que Sarah Frota teve rescindido o contrato firmado e deixou a franquia. A brasileira foi contratada depois de vencer Maiara Amanajas dos Santos por nocaute, em agosto de 2018, pelo Contender Series, projeto criado pelo presidente do UFC, Dana White, para revelar novos talentos. 

‘Consciência tranquila’

Sarah Frota se manifestou nas redes sociais e disse ter a consciência tranquila de que não cometeu irregularidade. Ela alegou ter sido vítima de suplemento contaminado com a substância. “Como alguns já devem saber, eu fui suspensa e caí no doping. Tenho minha consciência tranquila, não fiz nada de errado, mas, infelizmente, algum suplemento contaminado levou a gente a essa situação. O UFC desfez o contrato com a gente, mas a gente vai continuar lutando”, escreveu a brasiliense no Instagram.

View this post on Instagram

Poucos sabem, mas eu luto desde pequena. Antes dos ringues, do MMA, da bandeira do Brasil nas costas, do sangue escorrendo pelo rosto, televisionado, esperado, aplaudido (ou vaiado), eu já lutava. Lutava contra ‘padrões’. Enfrentei batalhas diárias contra olhares gritando que algo em mim não agradava, não encaixava. Dói. Espeta como agulha esse enfrentamento diário. Mas não mata. Essa incontornável convivência com a inconformidade, em verdade, nunca me abalou. Pelo contrário, reforçou em mim a ideia de que eu era uma lutadora nata. Ciente dessa minha força é que decidi lutar, ocupar local de fala, de representatividade. Por isso, quando iniciei minha carreira no MMA minha ideia sempre foi o de ser exemplo para as crianças e mulheres e, também por isso, “A” luta nunca foi apenas uma luta. Nunca foi só o dinheiro. A escola de onde venho me ensina que a luta é caráter, dignidade e lealdade, carrego comigo a ideologia das artes marciais e jamais abrirei mão por ganância. Hoje eu estou enfrentando mais um capítulo dessa rotina de lutas. Sou faixa preta de jiu jitsu. Campeã brasileira. Tenho 11 lutas de MMA, com 9 vitórias e 2 derrotas. Já fiz 7 exames para USADA, sempre limpo – irretocável trajeto – mas, neste último exame tive a desagradável surpresa: uma acusação de dopping. Venho tornar público os fatos que cercam essa acusação em respeito à todos que acompanham o meu trabalho. Eu tive um grande contratempo, que está sendo resolvido. Tomei um medicamento de rotina (que já havia tomado outras vezes), no entanto, me coloquei em risco porque consumi um medicamento CONTAMINADO fornecido por um amigo (que também não imaginava o que viria pela frente) e NÃO pela farmácia que me patrocina. Não tenho muito a dizer a não ser pedir desculpas a todos que me acompanham e torcem por mim. Não. Eu não vou desistir. E, não; a minha carreira não acabou. Desistir nunca foi meu forte e agora mais do que nunca eu preciso mostrar para a SARAH FROTA quem é A TRETA. Nasci para isso e levarei esse legado até meu túmulo, recomeçando quantas vezes precisar.

A post shared by Sarah frota lima “A TRETA” ♈ (@fightlikeatreta) on