Bolsonaro fala em “suspeição” de eleições caso ocorra “algo anormal”

O presidente ainda criticou os inquérito dos atos antidemocráticos e mandou recado para Luís Roberto Barroso, ex-presidente do TSE

Bolsonaro falou ainda sobre uma “sala secreta” do TSE. Sem provas, o presidente insinuou que supostamente fabricam o resultado das eleições – (crédito: Reprodução/TV Brasil)

Durante o evento “Liberdade de Expressão” — no Palácio do Planalto — nesta quarta-feira (27/4), o presidente Jair Bolsonaro (PL) sugeriu uma possível suspeição das eleições de 2022 se tiver “algo anormal”.

A matéria foi atualizada às 16h01 de 28 de abril, pois, diferentemente do publicado, o presidente não usou a palavra “suspensão”.

Segundo Bolsonaro, isso se estenderia a todos os cargos eletivos, incluindo governos estaduais e para a Câmara, Senado e deputados estaduais. “Não pensam que uma possível suspeição de uma eleição seria só para presidente, isso seria para o Senado, para a Câmara, se tiver algo de anormal”, disse.

O líder do executivo ainda falou diretamente para o ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso. “Se dirigindo ao Barroso, com currículo invejável, não deveria ter tido eleições de 2020 sem a conclusão daquele inquérito que deveria ser sigiloso. Ele mente”, acusou.

“Eles [TSE] convidaram as Forças Armadas para verificar o processo, mas se esqueceram que o chefe das Forças Armadas é Jair Messias Bolsonaro”, afirmou. O inquérito instaurado por meio do Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) citado por Bolsonaro foi o divulgado em fevereiro deste ano que concluiu a lisura das urnas eletrônicas.