Bahia já registrou 615 casos de tuberculose este ano

O estado continua sendo o 5º com o maior número de pessoas infectadas no país e ocupando a 2ª posição entre os estados da região Nordeste.

A tuberculose continua fazendo vitimas em todo Brasil. Dados da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) apontam que de janeiro até março foram registrados 615 casos da doença na Bahia. Desse total, 230 em Salvador. A faixa etária mais atingida pela tuberculose é de 20 a 49 anos, com 55,2% incidência dos casos.

O estado continua sendo o 5º com o maior número de pessoas infectadas no país e ocupando a 2ª posição entre os estados da região Nordeste. Em  2017 a Bahia registrou 4.610 casos de tuberculose. Em todo estado foram diagnosticados 357 óbitos, sendo 104 em Salvador.

Com o objetivo de chamar a atenção da sociedade sobre a doença neste domingo , Dia Mundial de Combate à Tuberculose, a Secretaria Municipal de Saúde do Salvador (SMS) promove na Arena Fonte Nova uma ação para alertar a população sobre a gravidade da doença. Durante a partida do Campeonato Baiano, os torcedores presentes poderão realizar teste rápido para detecção de Sífilis e HIV, além de receberem folhetos explicativos sobre a Tuberculose e o HIV.

No Brasil, são notificados a cada ano aproximadamente 70 mil casos novos da doença. Apesar de ter cura quando diagnóstica e tratada a tempo, ela ainda responde por cerca de 4,5 mil mortes de brasileiros por ano.

Para a enfermeira Pâmela Barbosa de Almeida, que atua no posto de saúde São Caetano, a maior dificuldade para eliminar a doença está no abandono do tratamento pelos pacientes. “Toda pessoa é suscetível a desenvolver a tuberculose, no entanto, existem pessoas consideradas mais vulneráveis como a população em situação de rua, pessoas que vivem com HIV/AIDS, crianças e idosos também.” afirmou Pâmela.

Diagnóstico – O diagnóstico é feito pelo exame de escarro, junto aos exames de raio x e o clínico. Confirmado o resultado do escarro, pode ser feito o raio x do tórax, que auxilia no resultado. “Mesmo o exame do escarro sendo negativo, nem sempre significa que a pessoa não tenha a doença. Isso vai depender da quantidade de bacilos que a pessoa tenha. Fechado o diagnóstico, tem que iniciar imediatamente o tratamento da pessoa” informou a enfermeira.

O primeiro sintoma da doença é uma tosse que se prolonga por três semanas ou mais. E este primeiro sinal deve ser considerado, pois o diagnóstico precoce da doença é fundamental, já que ela pode, inclusive, levar o paciente à morte.

O tratamento é feito de forma gratuita e todas as unidades do município estão credenciadas para fazer o diagnóstico. Desde o inicio do ano já foram registrados 615 casos na Bahia e 230 em Salvador, até o momento não há dados de existentes de óbitos.

 

Por Anilson Salomão | Tribuna da Bahia

Veja também