CARNAVAL 2024

STF invalida a tese de ‘legítima defesa da honra’ em feminicídios

A presidente da Corte, Rosa Weber, afirma que não há espaço para restauração dos costumes medievais

Divulgação: STF

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) consideraram inconstitucional o uso do argumento da “legítima defesa da honra” em casos de feminicídio julgados no tribunal do júri. Pela decisão, o argumento não poderá ser usado por advogados, policiais ou juízes, de forma direta ou indireta. Os ministros acompanharam o voto do relator do caso, ministro Dias Toffoli. A análise do caso foi concluída nesta terça-feira (1), durante a sessão de reabertura dos trabalhos na Corte.

No julgamento desta terça, a Corte concluiu a análise do processo, com os votos das ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber. A tese da “legítima defesa da honra” era utilizada em casos de agressões ou feminicídios para justificar o comportamento do acusado em situações, por exemplo, de adultério, na qual se sustentava que a honra do agressor havia sido supostamente ferida. Além da proibição, a defesa não poderá usar o argumento e depois pedir a anulação do júri popular. Ou seja, o acusado não pode agir de forma irregular e depois tentar se beneficiar disso.

A proibição vale tanto para a fase de investigação dos casos quanto para as situações em que os processos chegam ao tribunal do júri. Os tribunais de segunda instância poderão acolher recursos pela anulação de absolvições, caso estas tenham sido baseadas na tese. A Corte entendeu que, se o tribunal determinar novo júri, não vai ferir o princípio da soberania dos vereditos dos jurados.

A ação que discute o tema foi apresentada pelo PDT, em janeiro de 2021. A sigla argumentou que não são compatíveis com a Constituição absolvições de réus pelo júri baseadas na tese da “legítima defesa da honra”, classificada como “nefasta, horrenda e anacrônica”.

CARNAVAL 2024

Veja também

NOVA BAHIA