‘Não sou assassino’, diz responsável pela compra de fogos da Boate Kiss

Luciano Bonilha comprou e acendeu os fogos no acidente que matou 242 jovens

Foto: Reprodução/Youtube

O ex-produtor da banda ‘Gurizada Fandangueira’, Luciano Bonilha Leão foi um dos primeiros entre os quatro réus a chegar ao Foro Central de Porto Alegre, na manhã desta quarta-feira (01), onde ocorre o julgamento do caso da Boate Kiss. De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), foi Luciano quem comprou e ativou o fogo de artifício que deu início ao incêndio.

Acompanhado por advogados, ao chegar no local, Luciano gritou: “Eu não sou assassino”.

Em seguida, o acusado precisou ser levado para uma sala para receber atendimento médico. Segundo os advogados, ele teve um pico de pressão alta, foi atendido e liberado para ir ao plenário. 

Quatro homens irão a julgamento no caso Kiss: Elissandro Callegaro Spohr (Kiko) e Mauro Londero Hoffmann, sócios da Boate Kiss; Marcelo de Jesus dos Santos, vocalista da banda Gurizada Fandangueira e Luciano Bonilha Leão, produtor de palco da banda Gurizada Fandangueira. 

Eles respondem por homicídio simples, com dolo eventual, quando se assume o risco de matar, contabilizados da seguinte forma: 242 vezes consumado, proporcional ao número de mortes, e 636 tentativas, em referência ao quantitativo de feridos.