CARNAVAL 2024

Mais de 99% das solicitações são atendidas pela Central Estadual de Regulação em 2023

Foto: Fernando Vivas/GOVBA

Com 186.606 pacientes atendidos pela Central Estadual de Regulação nos oito primeiros meses de 2023, foi atingida a marca de 99,2% de respostas às 188.116 solicitações feitas por unidades de saúde nos 417 municípios baianos. Para acelerar as transferências e melhorar ainda mais os indicadores, um mutirão está sendo realizado neste sábado (2), com a presença da secretária da Saúde do Estado, Roberta Santana, e dos diretores dos maiores hospitais da rede estadual.

O governador Jerônimo Rodrigues também acompanhou parte das atividades. “A cada sinal recebido, cada ligação atendida, cada botão apertado estamos cumprindo uma missão para salvar vidas”, comentou Jerônimo sobre a atenção permanente da equipe da central.

A secretária estadual de Saúde, Roberta Santana, ressaltou a importância da ampliação de leitos e da equipe de regulação. “A Saúde é uma prioridade, tanto que já abrimos mais de 500 novos leitos somente este ano, contratamos novos médicos reguladores e hoje são 211 profissionais, bem como ampliamos os contratos de transporte terrestre e UTI aérea. Além disso, criamos políticas de cofinanciamento, a exemplo da hemodiálise, que possibilitou a liberação de 356 leitos hospitalares que estavam ocupados com pacientes renais crônicos que não tinham acesso à diálise ambulatorial em clínicas”.

A ampliação dos serviços de atenção domiciliar, conhecido popularmente como home care, e a implantação da oxigenoterapia domiciliar prolongada, ambos disponíveis nos 417 municípios, tem contribuído para liberação mais célere de leitos hospitalares. Atualmente, 1.078 pacientes encontram-se assistidos em domicílio em 234 municípios, bem como 2.228 pacientes estão em casa utilizando o serviço de oxigenoterapia ofertado pelo Governo do Estado.

A superintendente de Gestão dos Sistemas de Regulação da Atenção à Saúde, Mônica Hupsel, aponta que meta desse mutirão é reduzir em até 50% a demanda de solicitações de ortopedia e neurocirurgia. “Com a presença dos diretores médicos e gerais dos maiores hospitais estaduais, conseguimos, simultaneamente, integrar as equipes e ampliar a resolutividade. No dia a dia já regulamos 50,1% dos pacientes em até 24 horas e 80% em até 72 horas. Situações específicas, como a neurocirurgia, cujo número de especialistas é reduzido tanto na rede pública quanto na privada, o tempo de permanência pode superar as 72 horas”, explica a superintendente.

Foto: Fernando Vivas/GOVBA

Na avaliação da diretora-geral do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), Cristiana França, o mutirão é importante para aproximar as equipes que estão na ponta e os médicos da Central. “No último mutirão ocorrido antes do São João, recebemos 72 pacientes que necessitavam de neurocirurgia, endoscopia digestiva, colonoscopia, CPRE, cirurgia vascular e ortopedia. A meta da equipe do HGCA é sempre se superar”, afirma França.

O diretor-geral do Hospital Geral do Estado (HGE), Márcio Fonseca, relata que somente este ano, o HGE recebeu 6.475 pacientes transferidos pela Central Estadual de Regulação, sendo o maior dentre todas as unidades. “Nesse mutirão já autorizamos a admissão de pacientes com perfil de trauma raquimedular, ortopédico e bucomaxilo”, destaca Fonseca.

Para a diretora-geral do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Lucrécia Savernini, “um dos pontos positivos do mutirão é fortalecer o exercício da empatia e compaixão pelo outro. Sabemos que mesmo diante das limitações, é possível fazer sempre um pouco mais, pois o paciente precisa de cuidados e as equipes nos hospitais e na Central trabalham incessantemente para prover isso”, ressalta Savernini.

Causas

Cerca de 40% das solicitações atendidas pelos médicos da Central Estadual de Regulação em 2023 foram de pacientes com problemas vasculares, ortopédicos e de clínica médica. A combinação da baixa resolutividade e cobertura na Atenção Primária em alguns municípios, sobretudo os maiores, fazem com que as pessoas não se previnam ou não se tratem adequadamente nos estágios iniciais das doenças, a exemplo da diabetes.

“Como consequência, os problemas vasculares com indicação de revascularização e amputação de membros são recorrentes. O mesmo acontece com os acidentes automobilísticos, em especial, com motociclistas. Cerca de 60% das UTIs estaduais são ocupadas com pacientes politraumatizados. Por fim, pacientes que poderiam ser atendidos em unidades municipais para uso de antibiótico apenas e outras situações de menor complexidade, são inseridos no sistema e transferidos para unidades estaduais que poderiam estar dedicadas a pacientes graves”, afirma a secretária.

Fonte: SESAB BA

CARNAVAL 2024

Veja também

NOVA BAHIA