Lula lamenta violência política após morte de petista: ‘Duas famílias perderam seus pais’

Ex-presidente também pediu solidariedade aos familiares do agressor, que segundo ele, ‘perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável’

Foto: Reprodução / Youtube

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comentou o incidente trágico ocorrido na madrugada deste domingo (10), em Foz do Iguaçu (PR), resultando na morte de um guarda municipal filiado ao Partido dos Trabalhadores e de um militante bolsonarista.

“Nosso companheiro Marcelo Arruda comemorava o seu aniversário de 50 anos com a família e amigos, em paz, em Foz do Iguaçu. Filiado ao Partido dos Trabalhadores, sua festa tinha como tema o PT e a esperança no futuro; com a alegria de um pai que acabou de ter mais uma filha”, disse Lula, nas redes sociais. “Uma pessoa, por intolerância, ameaçou e depois atirou nele, que se defendeu e evitou uma tragédia maior”, acrescentou o ex-presidente, narrando o episódio ocorrido em uma festa com cerca de 40 convidados.

“Duas famílias perderam seus pais. Filhos ficaram órfãos, inclusive os do agressor”, lamentou Lula, que manifestou solidariedade aos amigos e familiares de Arruda e pediu “compreensão e solidariedade” à família de José da Rocha Guaranho, simpatizante do presidente Jair Bolsonaro (PL) que morreu em troca de tiros, após ameaçar o aniversariante. “Perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável”, afirmou o ex-chefe do Executivo.

“Pelos relatos que tenho, Guaranho não ouviu os apelos de sua família para que seguisse com a sua vida.
Precisamos de democracia, diálogo, tolerância e paz”, concluiu o petista.