NOVA BAHIA 2024

Economistas projetam que bancos centrais estão prontos para cortar juros em 2024

Queda global da inflação e desaceleração de economias do G7 pressionam diretores de política monetária

Foto: Agência Brasil

Investidores e economistas esperam que os principais bancos centrais comecem a cortar as taxas de juros durante o próximo ano, à medida que a queda da inflação alimenta previsões de que os preços estão sob controle.

Segundo reportagem do jornal americano Financial Times, depois de entrarem em 2023 com uma política agressiva de alta de juros, o Federal Reserve (banco central americano), o Banco Central Europeu e o Banco de Inglaterra suspenderam o aperto de política monetária no segundo semestre do ano.

Agora, com as taxas de inflação recuando em grande parte do grupo de países do G7 e com as economias desacelerando, a pressão para que os diretores de política monetária reduzam os custos dos empréstimos deve ganhar força.

“Esperamos que a inflação caia mais do que os bancos centrais esperam”, disse Neil Shearing, economista-chefe do grupo Capital Economics, com sede no Reino Unido. Shearing apontou, ainda, que o crescimento econômico estava enfraquecendo, à medida que as distorções causadas pela pandemia de Covid-19 e pela crise energética global se dissipavam.

“A política agora está bastante restritiva, o que significa que os bancos centrais podem afrouxar sem necessariamente apoiarem [o crescimento]. Pense nisso como pisar no freio com menos força, em vez de pisar no acelerador”, disse ele.

De acordo com o Financial Times, os investidores apostam que o Fed fará cortes pela primeira vez em março de 2024, com cinco cortes de 25 pontos percentuais durante o ano, de acordo com as projeções de mercado. Já o BCE e o BoE devem reduzir as taxas seis vezes neste ano, com o primeiro corte em março ou abril e o segundo em maio.

Os mercados financeiros terminaram 2023 em forte alta, à medida que os investidores se tornavam cada vez mais confiantes de que o Fed estava pronto para começar a afrouxar os juros, na sequência da sua decisão de 14 de dezembro de manter as taxas. A recuperação colocou o índice MSCI World, um indicador de ações globais, no caminho para o seu melhor desempenho anual desde 2019.

Em sua reunião de dezembro, o Fed divulgou projeções mostrando que as autoridades esperavam que a taxa básica de juros americana —atualmente no nível mais alto em 22 anos, entre 5,25% e 5,5%— fosse reduzida em 0,75 ponto percentual nos próximos 12 meses.

Falando na reunião, o presidente do Fed, Jerome Powell, não conseguiu refutar as expectativas do mercado de cortes acentuados nas taxas em 2024, dizendo que o banco central estava “consciente do risco de aguentarmos por muito tempo” ao manter a política muito rígida. “Sabemos que é um risco e estamos muito focados em não cometer esse erro”, disse ele.

Outros responsáveis pela fixação das taxas dos EUA, incluindo o presidente do Fed de Nova York, John Williams, tentaram atenuar algumas das especulações sobre os primeiros cortes das taxas, mas os investidores parecem confiantes de que o banco central fez o suficiente para começar a flexibilização.

O arrefecimento de preços em novembro fez com que a taxa anualizada de seis meses do núcleo da inflação, que exclui energia e alimentos, caísse para 1,9%, um pouco abaixo da meta oficial de inflação de 2 por cento do banco central.

SIEL GUINCHOS

Veja também

GOVERNO DA BAHIA