Com o valor do boi em queda, a carne bovina vai ficar mais barata? Entenda

A arroba do Boi Gordo atingiu na última quarta-feira (20), o menor valor registrado em 2021.



Desde setembro, a cotação do Boi Gordo entrou em queda no pais, de modo que a arroba do animal registrou o valor de R$ 262,90, sendo este o menor registrado no ano. Isto conforme o levantamento do CEPEA (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Este cenário deve-se ao fato de que a China parou de comprar a carne bovina, por conta de suspeitas de casos da doença da vaca louca, informados pelo estados de Minas Gerais e Mato Grosso.

Neste sentido, é preciso entender que o país asiático compra cerca de 2 milhões de toneladas de carne bovina brasileira. Sendo assim, o período de 47 dias que a China mantém o veto, impacta os preços do Brasil. 

Vale ressaltar que antes da cessação da importação do produto pela china, a cotação estava em R$ 305 e ainda bateu recorde em Junho atingindo R$ 322. Mas afinal de contas, mediante a isto, a carne de boi ficará mais barata para a população brasileira. 

Preço da carne bovina em queda?

Com este cenário, a dúvida é se a queda de valores do produto chegará às prateleiras. Neste sentido, pelo menos o preço de atacado da carne bovina em São Paulo sofreu uma redução de preços. Segundo o analista da Safras & Mercado Fernando Henrique Iglesias, isto ocorreu, pois, parte da carne que seria destinada à China foi enviada para o mercado interno. 

No entanto, a maior parte da carne bovina encontra-se em contêineres nos portos, conforme Iglesias, apesar da redução de preço do produto no atacado de R$ 17 para R$ 14. 

Contudo, o mesmo não acontece no varejo de SP. Conforme dados do IPC, o produto continua em crescente, de modo que na segunda semana de outubro a carne bovina avançou 0,62% após ter subido 0,42% na semana anterior. 

“Essa queda pode chegar ao consumidor, mas não na mesma proporção do atacado. Movimentos de alta de preço são repassados de forma mais agressiva pelo varejo. Mas, quando são de baixa, não é assim…esses repasses acabam sendo mais discretos. É um perfil do negócio”, afirma o analista Fernando Henrique Iglesias.

Programa Estado Solidário