Aos 41 anos, Vitor Belfort se despede dos octógonos, no UFC 224, contra Lyoto Machida

Longevidade é uma das palavras que definem a carreira de Vitor Belfort. E, quando subir ao octógono pela última vez na carreira, logo mais, no UFC 224, na Arena da Barra, a partir das 23h, contra o compatriota Lyoto Machida, chegará ao fim uma das mais longas e vitoriosas trajetórias do MMA mundial.

Aos 41 anos, o Fenômeno, como é conhecido o lutador carioca, estreou na principal organização da modalidade no distante UFC 12, no Alabama, nos EUA, no dia 2 de julho de 1997, com um nocaute técnico diante do anfitrião Tra Telligman.

Ex-campeão peso-pesado e do peso-meio-pesado do UFC, o pai dos pequenos Davi, Victoria e Kyara soma 26 vitórias em 40 combates no MMA.

E ter a despedida de Belfort no card no Rio é motivo de orgulho para David Shaw, vice-presidente sênior internacional do UFC.

— O Vitor está conosco há muito tempo, é uma lenda, um dos ícones que estavam bem no início e segue até hoje. Ele representa muito para o esporte, é um ídolo para as crianças ao redor do mundo — elogiou o executivo, em entrevista exclusiva.

Se a saideira de Belfort não valerá cinturão, a principal atração na Barra, entre a baiana Amanda Nunes e a americana Raquel Pennington, garantirá o título do peso-galo. Será a terceira vez consecutiva que a brasileira colocará em jogo sua hegemonia na modalidades.

Aliás, atualmente, no Brasil, apenas Amanda e a paranaense Cris Cyborg (peso-pena) têm cinturão do UFC. Segundo Shaw, da mesma forma que esta curiosidade deixa claro o empoderamento das lutadoras brasileiras no octógono, não significa que, no masculino, o país vai tão mal.

— É uma reciclagem natural do esporte, e o Brasil tem duas líderes, com todos os princípios dos grandes campeões, assim como alguns top 5, como o Rafael dos Anjos (ex-campeão dos leves), que vai disputar cinturão em breve (no meio-médio interino) — disse.

Sobre a seca brasileira no quesito títulos no masculino, o executivo do UFC tem uma certeza.

— O Brasil voltará a ter um campeão nos próximos doze meses — avisou.

Executivo vê novos nomes do país com bom potencial

Além de Vitor Belfort, o Brasil já teve, entre os homens, no UFC, campeões como José Aldo, Renan Barão, Junior Cigano e Fabricio Werdum, só pra citar alguns dos mais recentes. E revelar novos nomes sempre foi uma característica do país ao longo dos pouco mais de 24 anos da entidade. Na opinião de David Shaw, vice-presidente da organização, alguns novos nomes têm tudo para recolocar o país na busca por cinturão:

— O Brasil tem vários bons nomes, como o (mineiro) Paulo (Borrachinha) Costa (27 anos), que vai enfrentar o Uriah Hall (americano), em julho, e o (paraense) Michel Trator, de 36, que venceu em fevereiro em Belém — salientou o executivo.

Feliz com a paixão dos torcedores do país pelo MMA, Shaw cita duas lutadoras do Brasil com muito potencial:

— Vocês têm a (manauara) Ketlen Vieira, de 26, que está invicta e mostrou que pode competir com as melhores, e a (paranaense) Jéssica (Bate-Estaca) Andrade, de 26, que deve lutar, em breve, pelo cinturão.

Logo mais, na nona edição do UFC no Rio, o dirigente prevê uma grande festa:

— A expectativa é muito boa, estamos muito felizes de voltar ao Rio. São poucas as cidades no mundo que já recebeu tantos eventos.

JIU JITSU FERNANDO MEIRA