Últimas Notícias

A força do Bolsa Atleta: Equipamentos de ponta garantem sucesso dos brasileiros em Lima

Medalhistas nos Jogos Parapan-Americanos relatam como o maior programa de patrocínio a atletas do mundo os permitiu investir alto em suas carreiras e brilhar nos pódios peruanos

O Bolsa Atleta, em atividade desde 2005, tem credenciais superlativas. Em abril deste ano, após uma recomposição promovida pelo Governo Federal que incluiu 3.142 novos inscritos, o total de beneficiários atingiu a marca de 6.199 brasileiros. Trata-se de do maior programa de patrocínio individual de atletas do planeta. Em seus 14 anos, os investimentos superam a marca de R$ 1,1 bilhão. Com a recomposição, o orçamento do programa para 2019 é de R$ 140 milhões. No total, mais de 26,5 mil esportistas já foram beneficiados e 63,3 mil bolsas foram concedidas.

Mas é no dia a dia dos atletas que o sucesso do programa se concretiza na prática. Nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019, por exemplo, das 171 medalhas conquistadas pelo Brasil, 141 vieram de bolsistas. Dos 485 atletas da delegação nacional que competiram no Pan, 333 recebem o Bolsa Atleta, sendo que 424, ou 87,4%, já haviam sido contemplados ao menos uma vez em algum momento de suas carreiras.

Nos Jogos Parapan-Americanos, que se encerram neste domingo (01.09) em Lima, esse cenário é ainda mais contundente. Até a manhã desta sexta-feira (30.08), o Brasil liderava o quadro de medalhas com 222 pódios: 88 medalhas de ouro, 73 de prata e 61 de bronze. Das 222 conquistas, 207, ou 93,24%, tinham a participação de bolsistas.

Nessa matemática do sucesso brasileiro no megaevento esportivo continental alguns fatores são determinantes. E um dos principais diz respeito às condições de treinamento e competição. Sem equipamentos de ponta que os permitam preparar-se no mesmo nível de seus principais rivais no cenário internacional seria impossível ao Brasil chegar a tantos pódios e liderar com folga o quadro de medalhas no Parapan em Lima.

Em algumas modalidades, equipamentos são sinônimos de altos custos. Nesses casos, principalmente, o Bolsa Atleta tem feito a diferença para vários atletas, como é o caso do mesatenista Paulo Salmin e do velocista do atletismo Ariosvaldo Fernandes, o Parré.

“Essa prótese custou 38 mil reais”, conta Paulo Salmin, medalha de ouro no Peru no individual na classe 7 e ouro por equipe na classe 6-8. Nascido com uma má-formação no fêmur da perna direita, ele sempre precisou usar próteses. Mas quando evoluiu tecnicamente no tênis de mesa, chegou a um nível que era preciso uma prótese especial, voltada para atletas e que permitisse a ele ter mais mobilidade nas partidas. Assim, em 2014, Salmin investiu tudo o que havia economizado por anos no Bolsa Atleta.

“Eu fui juntando dinheiro do Bolsa Atleta desde as primeiras categorias. Eu passei pela categoria estudantil, nacional, internacional, paraolímpico e Bolsa Pódio. E juntar esse dinheiro foi responsável diretamente por eu ter conseguido algo que eu nem chamo de conforto. É um bem necessário para o alto rendimento”, ressalta.

Aos 42 anos, o paraibano Parré, viveu uma situação semelhante no atletismo. Com apenas 18 meses, a poliomielite paralisou seus membros inferiores. Cadeirante, ele encontrou nas provas de velocidade um caminho de sucesso internacional. Em Lima, conquistou o ouro nos 400m, o ouro nos 100m e a prata no revezamento 4 x 100m na classe T53.

“Essa cadeira é uma cadeira de competição, que eu uso para as provas de velocidade. Ela foi adquirida com recursos do Bolsa Atleta”, conta Parré, referindo-se aos R$ 28 mil que investiu no equipamento. “Eu consegui me organizar e consegui juntar minha grana. Sem o investimento que o Bolsa Atleta faz na gente, acho que seria impossível a gente fazer esporte no Brasil”, encerra.

Outubro Rosa - A gente abraça essa luta