CAMPANHA COMBATE AO MOSQUITO EDES AEGYPTI

Escolha do vice de ACM Neto mira plano político de médio e longo prazo na Bahia; entenda

Escolha da possível vice de ACM Neto mira plano político de médio e longo prazo na Bahia, com o fortalecimento de dois nomes de confiança do carlista

Nesta semana finalmente deve ser anunciado o nome do candidato (ou candidata) à vice na chapa de ACM Neto (União Brasil). Conforme apuração do BNews com base em informações de bastidores políticos, a escolha envolveria um processo de estabilidade política para os próximos oito anos de gestão do União Brasil na Bahia.

O plano para a escolha da vice seria similar ao da escolha de Ana Paula Matos (PDT) para compor a majoritária com Bruno Reis (UB) nas eleições municipais. A ideia é escolher um nome que hoje não tem tanta ‘força política’, a exemplo de Edylene Ferreira, visando também ‘agradar’ a ala dos Republicanos.

No entanto, para não gerar um ‘racha’ entre partidos que hoje fazem parte da base do ex-prefeito ACM Neto, o anúncio foi deixado para a última data das convenções, sexta-feira (5). Nesse sentido, nomes como o de Marcelo Nilo, Zé Ronaldo, Félix Mendonça Jr, ficaram para trás.

Seria uma operação que lembra a de Célia Sacramento, que foi vice-prefeita e participou de apenas um mandato da gestão de ACM Neto em Salvador, sendo desconsiderada para a chapa de reeleição. 

Edylene Ferreira assumiria como vice do carlista ao governo, caso a chapa fosse eleita. Na reeleição para a Prefeitura, Bruno Reis disputaria com Ana Paula Matos mais um mandato.

No entanto, no momento de disputar outra vez o governo baiano, a ex-presidente da Câmara de Serrinha sairia de cena para a entrada de Bruno Reis como vice da majoritária, com a vice-prefeita sendo alçada ao topo da gestão da capital baiana.

Com ACM Neto reeleito governador, tendo Bruno Reis como vice, além de Ana Paula Matos na prefeitura da capital, o caminho estaria ‘arrumado’ para a futura investida do carlista ao Senado. E o atual gestor de Salvador seria o nome ‘perfeito’ para a sucessão no governo baiano, ainda com o fortalecimento de outro nome de confiança, o da então prefeita de Salvador.