Dez praias secretas em Salvador para curtir o Verão

Do 2 de Julho a Ondina, confira praias de vários tipos para desbravar a cidade

Este ano o Carnaval é em março, aí vem esse verão que nunca acaba, todo mundo se querendo e suando, que gostoso, que delícia! Então, a gente pensou em mostrar para vocês 10 prainhas escondidas da cidade, do 2 de Julho a Ondina. Escondidas pero no mucho, porque já vimos que vocês não tão de brincadeira! Toda praia teoricamente secreta que a gente foi tinha pelo menos um grupo derretendo, ops, aproveitando um pedacito dos 50km de praia de Salcity. Tá calor, Salvador tá fervilhando, então anota logo esses picos pra fazer a programação do fim de semana!

1. Praia da Preguiça
A Praia da Preguiça é tudo, menos preguiçosa. Desde que a gente tem notícia dela, ela está sempre trazendo uma novidade. Já foi praia da elite, no século XVII, quando os sobrados mais chiques da cidade ficavam por ali. Mais recentemente, foi área de consumo de drogas e casa de moradores de rua e, antes disso, até perdeu o título de praia. É que quando a Bahia Marina foi construída, o quebra-mar deslocou a areia da praia, que só voltou após a segunda fase do projeto, anos depois.

Hoje, ela está perto de condomínios luxuosos e ficou bem conhecida no Instagram como a praia da galera que pratica canoa havaiana, uma das modas desse verão. E, por falar em verão, marca aí na agenda, dia 24/2 (domingo) tem o Banho de Mar à Fantasia da Praia da Preguiça, com cortejo que sai da Ladeira da Preguiça, uma tradição que surgiu nos anos 1930, foi interrompida nos anos 1990 e voltou em 2012, mas isso é conversa para outro passeio. 

2. Praia do MAM

 Essa aí virou a praia mais hypada de Salvador desde que inauguraram o acesso do MAM à praia. Também, pudera, o banho é maravilhoso, a água é cristalina e o visual é daquelas praias italianas de catálogo de viagem. Sem dúvida, o pedaço mais bonito desse nosso rolé.

O negócio é que a praia é uma faixa de terra estreita e está na moda, então, tem ficado abarrotada. Já tem aluguel de guarda-sol, cadeira e ambulante vendendo cerveja e queijinho. Se te incomoda, melhor procurar uma praia menos bonita, mas sem painel gigante de Carybé, escultura de Mário Cravo e várias artes na minitrilha para chegar. Não tem outra praia com interação entre arte e natureza na cidade. Mas, se você quer muito tudo isso, com tranquilidade, vá em dias de semana.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A gente acha que a Praia do MAM tem mesmo potencial para virar um novo Buracão, a praia da moda, com banho mais legal. Mas fica a dúvida se esse mar, perto da Marina e, consequentemente, contaminado pelos óleos (e às vezes pela música alta) dos barcos, é limpo. O visual e o banho a gente garante que vale cada degrau descido. Ah, importante dizer que ela tem horário para abrir (8h30) e fechar (17h). É que, como a gente citou, o acesso é controlado pelo Museu de Arte Moderna

3. Praia do Solar Do Unhão
A gente ia falar que essa era a praia secretinha dos artistas locais, da galera desbravadora da cidade, dos ensaios fotográficos e que aos poucos ela começou a ser conhecida pelos artistas alternativos de fora da Bahia: Tuilpa Ruiz, Liniker, Anelis Assumpção, Tassia Reis, Fabrício Boliveira…  Mas aí chegou a maga Anitta e gravou um clipe na Praia do Solar do Unhão semanas atrás. E Anitta não tem nada de secretinha, ela bota mesmo a cara no sol pra todo mundo ver.

Foto: Blog Destemperados

Antes de tudo, é bom salientar que o processo de gravar o clipe de Anitta foi acordado com a Comunidade do Solar do Unhão e que essa mesma comunidade é receptiva à visita das pessoas, desde que tudo seja feito com respeito aos moradores locais e à natureza. E que legal pode ser conhecer um novo espaço da cidade e ainda fomentar a economia local, né?

Essa história a gente já contou aqui, mas tem muita gente nova, então é bom relembrar. Sabia que originalmente essa praia não tinha pedras? Elas foram levadas pela maré após a construção da Bahia Marina. Hoje não tem mais como tirar, são metros e metros de pedrinha. É o homem impactando a natureza. Tá mais do que provado que temos que ter cuidado com nossas ações. Que tal começar recolhendo o seu lixo da praia e pegando mais algum para dar exemplo? A natureza e a cidade agradecem.

4. Praia da Gamboa de Baixo
Passear de barco, aproveitar o mar tranquilo sem pisar na areia e comer bem, debaixo do guarda-sol, no píer, parece programão de ryko do Corredor da Vitória, né? Mas dá pra passar um dia de princesa desse gastando pouco. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A dica é a praia da Gamboa de Baixo. E o nosso esquema preferido é ir para o Bar da Mônica. Que gostoso é tomar cerveja gelada, comer comida boa e só precisar dar um pulo do píer pra se refrescar no mar!

No Bar da Mônica, os preços são honestos. Devassa R$ 7, Eisenbahn R$ 8, Mariscada R$ 30, Peixe frito R$ 25 (pratos que comem 3). A gente ama que dá para chegar de barco e depois fazer um passeio até a Vila Brandão ou à Praia da Preguiça.

Mas também dá para ir andando, é só ficar ligado na descida da Avenida Contorno, porque ali ainda é ponto de usuários de drogas. Passada essa pequena parte, é aproveitar para descobrir o mar entre uma casinha e outra, enquanto distrai o corpo nos degraus e na ladeira da descida. A gente jura que a experiência compensa!

5. Shangri-La
Reza a lenda que esta praia secretinha foi batizada por Caetano Veloso: Shangri-La. E vocês sabem que não dá para ignorar uma praia batizada por Caetano Veloso, mesmo ela não tendo mais acesso ao público, mesmo ela sendo pouco conhecida até pelos mais antigos da vizinhança. Não deu para simplesmente fingir que ela não existe.

Nos anos 1960 e 1970, Shangri-La era frequentada por artistas que procuravam um lugar com menos burburinho que o Porto da Barra e pela galera que queria usar alguma coisa ilícita e tinha medo da repressão pesada da polícia. Shangri-La fica embaixo da falésia do Corredor da Vitória, a morada mais cara da cidade, então, não tem como nós, meros mortais, acessarmos.

A não ser que você tenha convite de um morador da Residência Universitária da Ufba, como aconteceu com a gente. Foi mágico descer a escada imensa, no meio da mata, até chegar na praia com pedras e água clara. Na época áurea, não tinha escada nenhuma e o povo descia se arrastando pelas pedras.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
6. Vila Brandão 
Tem resistência no Corredor da Vitória, o metro quadrado mais caro da cidade. Contra toda a especulação imobiliária, entre a Mansão Wildberg e o Yacht Clube da Bahia, fica a Vila Brandão.

É só descer as escadas para conhecer uma das comunidades mais tranquilas da cidade. Além dessa praia secretinha (que, verdade seja dita, tem mais pedras que areia e arremata a gente mais pela vista que por qualquer outra coisa) tem opções para comer moqueca, tomar cerveja e é um mirante natural para apreciar o pôr do sol com vista para a Baía de Todos-os-Santos e a Igreja de Santo Antônio da Barra. Um combo para fazer a economia local circular e alimentar a alma. 

7. Praia do Farol da Barra

A praia do Farol da Barra é uma região de formação de corais e, além disso, alguns navios naufragaram ali. Resultado, o lugar é um pedacinho de felicidade para quem curte mergulhar.

Até o próprio Farol da Barra foi construído em 1668 por causa de um naufrágio. Antes, só existia o forte. Entre os mergulhadores, os navios mais famosos são Bretagne e Germania. Os destroços deles estão a menos de 10 metros de profundidade e distantes 350 metros do farol. Eles tinham mais de 80 metros de comprimento e afundaram em 1903 e 1876, respectivamente.

Mas se você acha essa coisa de mergulhar de cilindro muito complicado, fique de boa!  Os recifes que margeiam a praia são muito legais pra mergulhar com apneia, dá pra ver vários cardumes, principalmente na maré baixa.

8. Praia Lagamar

Das praias que a gente visitou, Lagamar é, certamente, a que tem o título de “minha prainha escondida”. O vale de piscininhas entre o Cristo e o Clube Espanhol conquistou o coração de muita gente, e o nosso também.

A trilha já é uma mini-aventura, estar distante dos carros é reconfortante e as piscinas são um convite para jiboiar à vontade. Por falar em trilha, foi quando a gente começou a acessar a praia pela Rua Morro Escravo Miguel, e não pelo Cristo da Barra, que entendemos por que ela se chama Lagamar. Lagamar é uma formação tipo lagoa no rio ou no mar e, daquele ponto de vista, a gente consegue ver as águas batendo na pedra e enchendo as piscinas.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Mais perto do Cristo é a área mais badalada. Tem gente vendendo bebidas e alugando guarda-sol. Quanto mais perto do Clube Espanhol, mais tranquilo. É só sentir a sua vibe no dia e escolher onde ficar.

9. Praia do Salvador Praia Hotel

Atrás do Salvador Praia Hotel, fechado há 10 anos, fica uma das praias mais vazias da nossa lista.  Os frequentadores nos contaram que ela é boa especialmente na maré cheia, quando se formam piscininhas entre as pedras. Outra pessoa disse que adora essa praia porque ela tem sombra natural das árvores e possibilita ficar de boréstia, sentido a energia do mar, sem torrar debaixo do sol escaldante.

Mas o que a gente mais amou nela foi a trilhinha do final. O caminho vai margeando o mar, passa por trás do Othon, outro hotel que faliu, e chega na praia de Ondina. Mesmo com a trilha curta, a mudança repentina de cenário já dá aquela vibe desbravadora! A gente adorou! O lugar é meio vazio, então é melhor frequentar nos fins de semana.

10. Piscina Artificial de Ondina

Salvador é essa cidade que tem piscina artificial construída nas pedras da praia. Artificial, só que não, a real é que já existia uma formação de corais com cara de piscininha onde hoje fica a piscina artificial de Ondina, e alguém, provavelmente o “Oliveira” da inscrição, mandou passar um cimentão e deixar com menos cara de equipamento esculpido pela natureza. ⠀

Você sabia de mais essa secritude das praias da cidade? Pois saiba também que a água da piscina artificial é renovada quando a maré enche. Ela fica bem atrás das quadras e praça de Ondina, é rasa e fácil de chegar.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A gente aqui já até comentou dela, mas é tanto amor por esse lugarzinho com borda infinita para o Rio Vermelho que não resistimos e trouxemos de novo.  Diz aí se essa cidade não surpreende a toda hora com mil coisinhas novas pra serem descobertas?

Depois de rodar por tantas praias escondidas, fomos almoçar em um lugar… ESCONDIDO! Escondido e com gosto de memória afetiva em um restaurante que existe há mais de 15 anos, em Ondina.

Como o próprio nome diz, no Sertão e Mar tem carne e frutos do mar, e os dois são muito pedidos, gostosos e no precinho. A Chapa de Picanha Acebolada custa R$ 37, Moqueca de Camarão R$ 52 e Aratu R$ 40 (todos para 2 pessoas, mas tem opção de prato individual pela metade do preço).
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nossa dica é: vá de galera para provar tudo! Lá não tem luxo, é pequeno, pode ficar cheio e quente. Mas a gente promete que o tempero e o precinho campeão vão te conquistar.

Serviço:
Praia do Museu de Arte Moderna

Endereço: Av. Contôrno, s/n – Dois de Julho, Salvador – Bahia, acesso pelo gradil do museu
Horário: 8h30 às 17h30 de terça a domingo
Telefone: (71) 3117-6139
*Não pode entrar sem short

Bar da Mônica

Endereço: Rua Barbosa Leal, 31, Gamboa de Baixo, salvador Bahia
Horário: 7h às 18h30, todos os dias
Telefone: 33369728/ 981579717
Acesso por barco:
Combinar com a barqueira Nala (996035152)
Valor: a negociar

Restaurante Sertão e Mar
Endereço: Travessa Baependo, 69, Ondina
Horário: 11h30 às 15h30
Telefone: 33322326
*Não pode entrar sem short

Banho de Mar a Fantasia
Endereço: Ladeira da Preguiça
Horário: 9h às 17h
Data: 24/2
Valor: Gratuito

O projeto “Se Essa Rua Fosse Minha”visita diversos bairros soteropolitanos, carinhosamente chamados deruas, numa das muitas licenças poéticas que você vai encontrar nostextos. Ali, as publicitárias Luri Moraes e Ive Deonísio se encantam comas pessoas, conversam animadamente com os moradores e se deixam levarpor esse mar de amor que emana das ruas de Salvador.  Mais histórias efotos em @seessarua_fosseminha