Chocolates brasileiros bean to bar ganham prêmio nos EUA

Seis marcas brasileiras de chocolate bean to bar (feito de modo artesanal da amêndoa à barra) ganharam lugar na 10ª edição do Northwest Chocolate Festival, realizado no último fim de semana nos Estados Unidos.

As seis barras nacionais (Cuore di Cacao, Luisa Abram, Baianí, Mestiço, Gallette e LaBarr) estiveram entre os únicos 24 condecorados (de diversos países) no festival, que há 10 anos fideliza fazedores de barras bean to bar do mundo inteiro.

Competiram em variadas categorias (como barra escura, ao leite, com inclusão etc.) ao lado de cerca de 100 inscritos em cada uma delas. Os inscritos, que enviam previamente suas barras, são avaliados numa degustação às cegas por jurados do festival, que levam duas semanas avaliando e reavaliando as barras, todas sem embalagens.

Os 24 finalistas foram listados no site do festival e, no fim de semana, em Seattle, o festival anunciou os prêmios de ouro, prata e bronze a cada um deles.

Entre as seis brasileiras, a curitiba Cuore di Cacao foi a única que levou ouro, na categoria inclusão, com sua barra 70% cacau com castanha-de-caju e flor de sal.

Entre as pratas, as marcas paulistanas Luisa Abram e Baianí ganharam na categoria chocolate escuro: Luisa Abram com sua barra 70% Rio Jari, e Baianí com sua barra 70% trinitário.

Outras pratas foram para as paulistanas Mestiço, na categoria ao leite, com a barra 45% Leite Crema, e Gallette, na categoria confeitaria, com seu bombom de tiramisù. Já a brasiliense LaBarr levou bronze na categoria inclusão com a barra 40% ao leite com nibs e flor de sal.

Todas as seis marcas brasileiras fazem parte da Associação Bean to Bar Brasil, que participou do festival também com um estande montado no terminal portuário The Smith Cove, em Seattle, ao lado de outras 140 bancas.

Na programação do festival, também havia degustações, workshops e palestras, como a que Luisa Abram deu sobre sua pesquisa com cacau selvagem amazônico e a que o casal Juliana e Tuta Aquino, da marca Baianí (e da fazenda de cacau Vale Potumujú), deu sobre chocolate tree to bar, do cultivo do cacau à barra.

Edição anterior

Na edição do ano passado, a Associação Bean to Bar Brasil já havia ganhado destaque no festival de Seattle. A Mission, da americana radicada no Brasil Arcélia Gallardo, levou ouro na categoria embalagem. Neste ano, Arcélia não se inscreveu porque foi uma das juradas.

Ainda em 2017, a Mestiço levou bronze na categoria inclusão com sua barra 62% cacau com café. Já a Gallette ganhou bronze na categoria confeitaria com seu pé de moleque supremo de castanha-do-pará.

Por Ana Paula Boni |Fonte: Estadão
JIU JITSU FERNANDO MEIRA