Balança comercial brasileira registra queda de 44,7% em maio

Saldo é resultado de US$ 29,647 bilhões em exportações e importações no valor de US$ 24,704 bilhões

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 4,943 bilhões em maio, queda de
44,7% em relação ao mesmo mês de 2021, variação sempre calculada pela média diária. Os
números foram divulgados nesta segunda-feira (13) pela Secretaria de Comércio Exterior
(Secex) do Ministério da Economia.

Com isso, nos primeiros cinco meses do ano, a balança acumulou saldo positivo de US$
25,128 bilhões, queda de 6,4% sobre o mesmo período de 2021.

As exportações somaram US$ 29,647 bilhões no mês passado, com aumento de 8% sobre o
desempenho do mesmo mês de 2021. Já as importações alcançaram US$ 24,704 bilhões e
tiveram aumento de 33,5% sobre maio do ano passado. A corrente de comércio (a soma das
exportações e das importações), por sua vez, atingiu US$ 54,351 bilhões.

No acumulado de 2022, as exportações somaram US$ 131,086 bilhões, alta de 20,3%, em
relação ao mesmo período de 2021. Já as importações ficaram em US$ 105,957 bilhões,
aumento de 29%. Já a corrente de comércio, soma de exportações e importações e
considerada o principal indicador da balança pela Secex, alcançou US$ 237,044 bilhões no
período, alta de 24%.

As exportações agropecuárias cresceram 0,22% em maio, sempre calculadas pela média
diária, em relação ao mesmo mês do ano anterior. No caso da indústria extrativa, houve
queda de 4,48%, enquanto no caso da indústria de transformação houve alta de 19,44%.
Pelo lado das importações, houve avanço de 14,46% nas compras agropecuárias, alta de
74,81% na indústria extrativa e alta de 31,96% na indústria de transformação.

Os valores de exportações, importações e corrente de comércio (soma das duas variáveis
anteriores) da economia brasileira em maio atingiram o recorde, para qualquer mês, de toda a
série histórica da Secex, segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio
Exterior, Herlon Brandão, em entrevista coletiva para comentar os dados da balança
comercial referentes a maio. A série histórica tem início em 1997.

Segundo ele, tanto em maio quanto no acumulado deste ano a elevação dos preços tem
impactado fortemente as exportações e importações da economia brasileira. “Há aumento
geral de preços de bens importados”, disse. Somente o preço dos combustíveis comprados
do exterior subiu quase 100% em maio na comparação com o mesmo período do ano anterior.
Brandão também destacou que há “crescimento [das exportações] para todos os destinos” no
acumulado de 2022 em relação ao mesmo período do ano passado.

O subsecretário ainda afirmou que a queda do volume das exportações agropecuárias em
maio “se deve a menos embarques de soja”, que passou por uma quebra de safra. Ele
também chamou atenção para recuo nas vendas de minério de ferro, influenciada
principalmente pelo crescimento menor da economia chinesa, e de petróleo.

Fonte: Valor Econômico