Bahia tem saldo de 9,8 mil empregos com carteira assinada em setembro

Dados do Novo Caged divulgados nesta segunda-feira, 30 de outubro, indicam que o Brasil gerou 1,59 milhão de empregos formais em nove meses

Bahia gera 9.854 novas vagas com carteira assinada em setembro, totalizando 77.527 empregos em 2023

O estado da Bahia registrou saldo de 9,8 mil empregos com carteira assinada em setembro de 2023. Foram 72,4 mil admissões e 62,6 mil demissões no período. Os dados do Novo Caged foram divulgados nesta segunda-feira, 30 de outubro, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Nos primeiros nove meses de 2023, o saldo baiano é de 77,5 mil vagas formais no estado. Levando em conta os últimos 12 meses, o saldo é de 71,7 mil vagas.

Em setembro, a capital, Salvador, foi a responsável pelo maior saldo de geração de empregos formais na Bahia. Houve 2,1 mil vagas, resultado de 20,6 mil admissões e 18,5 mil demissões. O estoque total de pessoas com carteira assinada chegou a 620,8 mil empregos formais em Salvador.

Os outros quatro municípios que integram os cinco maiores saldos de empregos gerados no estado, em setembro, são Lauro de Freitas (1.844), Juazeiro (764), Feira de Santana (693) e Barreiras (338).

Levando em conta os cinco setores analisados pelo Novo Caged, a Bahia teve saldo positivo em quatro. Foram 5.060 vagas no setor de Serviços, 3.385 no Comércio, 1.088 na Agropecuária e 646 na Construção 8.415. A Indústria teve saldo negativo de 325 vagas.

1,59 MILHÃO — Nos primeiros nove meses de 2023, um total de 1,59 milhão de brasileiros entraram no mercado formal de trabalho. De janeiro a setembro, houve 17,8 milhões de admissões e 16,2 milhões de desligamentos, segundo o Novo Caged.

Em setembro, assim como em todos os meses do ano, houve expansão no número de pessoas com carteira de trabalho assinada no país e o saldo foi de 211.764 postos de trabalho — resultado de 1.917.057 admissões e de 1.705.293 desligamentos. Nos últimos 12 meses (outubro/2022 a setembro/2023), o acumulado é de 1,4 milhão de empregos, decorrente de 22,8 milhões de admissões e de 21,4 milhões de desligamentos.

Em setembro, o saldo foi positivo nas cinco regiões e nas 27 unidades da Federação. No Sudeste, a variação positiva foi de 82.350 vagas formais, seguido pelo Nordeste, com 75.108, pelo Sul (22.330), o Norte (16.850) e o Centro-Oeste (14.793).

MAIOR ESTOQUE — O estoque, ou seja, a quantidade total de pessoas com carteira assinada atualmente trabalhando, chegou ao patamar de 44 milhões em setembro de 2023, o maior já registrado na história do país, com variação de 0,48% em relação a agosto.

A variação positiva do emprego formal foi registrada nos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas: Serviços (+98.206 postos); Comércio (+43.465 postos); Indústria (+31.086 postos), principalmente na Indústria de Transformação (+28.077 postos); Construção (+28.359 postos); e Agropecuária (+5.126 postos).

No mês, o saldo foi positivo para mulheres (+83.096) e para homens (+128.668). No que se refere à População com Deficiência (PCD), identificou-se saldo positivo de (+1.590) postos de trabalho. O emprego foi positivo para pardos (+145.519), brancos (+49.451), pretos (+20.004), amarelos (+2.642) e indígenas (+232).

SALÁRIOS — O salário médio real de admissão em setembro foi de R$ 2.032,07, apresentando estabilidade com variação negativa de R$ 8,07 em comparação com o valor corrigido de agosto (R$ 2.040,14). Já em comparação com o mesmo mês do ano anterior, o que desconta mudanças decorrentes da sazonalidade do mês, o ganho real foi de R$ 13,92.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

BOLSA PRESENÇA

Veja também

SESAB