EUA devem reagir de modo sério se Bolsonaro recusar derrota, diz Arturo Valenzuela

O diplomata americano Arturo Valenzuela diz estar otimista sobre o futuro da democracia no Brasil, apesar das dificuldades atuais, e avalia que uma eventual tentativa de ruptura será levada muito a sério, tanto pelos brasileiros como por países como os Estados Unidos —por ruptura entenda-se uma recusa por parte do presidente Jair Bolsonaro (PL) a aceitar uma eventual derrota nas urnas.

“É preciso haver um esforço constante para fortalecer as instituições. Há certa fragmentação das forças políticas no mundo, falta coesão, mas estou confiante de que vamos ver forças se unindo —e será o caso do Brasil também”, avalia.

Valenzuela, 78, foi o principal nome do Departamento de Estado para a América Latina no início do governo Barack Obama e colaborou na campanha do atual presidente, Joe Biden. Hoje, é professor emérito da universidade Georgetown.

O ex-secretário participa nesta quarta (13), às 18h, de um debate virtual sobre as relações entre EUA e Brasil do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais). O centro está lançando um projeto de debates e estudos sobre o relacionamento entre Brasil e Estados Unidos, sob coordenação de Sérgio Amaral, ex-embaixador em Washington.

Como avalia a relação atual entre Brasil e EUA, especialmente frente ao distanciamento entre Biden e Bolsonaro? A relação é muito profunda. Precisamos fazer uma distinção entre o que é a relação entre EUA e Brasil em uma grande variedade de questões e as diferenças que pode haver entre os dois chefes de Estado nesse momento particular.

A relação tem sido muito forte nos tempos recentes: envolve comércio, investimento, tecnologia, mudança climática, educação. A longo prazo, continuará a haver uma relação forte, os dois países têm muita coisa em jogo. O fato de o Brasil comprar fertilizantes da Rússia não se compara com os investimentos extraordinários que o setor privado dos EUA tem no Brasil em uma ampla variedade de áreas.

Espero que possamos voltar para uma agenda na qual falemos sobre interesses comuns em termos de educação, inclusão social, comércio, investimentos, direitos humanos e democracia. O mais importante agora é a paz e a segurança.

A questão não é se o Brasil está se afastando só dos EUA, mas o país está claramente se afastando significativamente de seus aliados tradicionais na Europa. São tempos complicados, não é algo que eu já tenha experimentado. É catastrófico o que acontece na Ucrânia hoje. Não podemos deixar esse tipo de coisa prosseguir, não é um tempo para se equivocar.

Os EUA devem se aproximar mais do Brasil e da América Latina, ao buscar um consenso internacional contra a Rússia? Os EUA não vão dizer algo como “ok, nós discordamos de você, e vamos tentar fazer ajustes”. Estamos encarando um momento crítico, no qual você não pode usar um argumento como “bem, veja, precisamos proteger a importação de fertilizantes”. Isso inclui o que tem acontecido na ONU, onde a ampla maioria dos países decidiu que era preciso suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos.

Uma das preocupações no mundo hoje é o avanço de líderes autoritários e populistas, de esquerda ou de direita. É muito revelador que os dois maiores países da América Latina, México e Brasil, se abstiveram na votação para suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Os dois têm líderes populistas, um de direita e outro de esquerda.

Abster-se nesse tipo de questão é algo que vai requerer muitos reparos depois. Cabe ao povo brasileiro decidir exatamente o que sua liderança deve ser no futuro, assim como o dos EUA decidiu que o governo anterior era um que não poderia mais ser aceito.

Como os EUA e o Brasil podem se alinhar mais em questões de paz e segurança? Houve vezes em que os EUA, durante a Guerra Fria, criaram relações com os países da América Latina que configuravam esforços para afastar o que era visto como uma ameaça comunista —um dos primeiros golpes de Estado que ocorreram, de fato, foi no Brasil. Mas com o fim da Guerra Fria começou uma nova era, de solidificação das instituições democráticas. Conheço o Brasil bem o suficiente para saber que a maioria apoia isso.

Precisamos deixar claro que não se trata de os EUA darem exemplo para o mundo. Os EUA têm mostrado ter alguns problemas significativos com a própria democracia, e isso requer mudanças e reformas. O Brasil enfrentará o mesmo tipo de coisa. Então, espero que sejamos capazes de voltar a um ponto em que, junto com europeus e a América Latina, possamos colocar o foco em tentar reconstruir as instituições, de modo a ter um mundo mais pacífico.

Jair Bolsonaro já sinalizou que pode não aceitar o resultado das eleições de 2022. Como avaliaria que os EUA reagirão nesse caso? Acho que não só os EUA, mas os países pelo mundo que estão preocupados com questões assim vão levar isso muito a sério, assim como muitos brasileiros.

É um erro achar que há um processo que leva do subdesenvolvimento às instituições perfeitamente desenvolvidas. É preciso haver um esforço constante para fortalecer e renovar as instituições. Há certa fragmentação das forças políticas no mundo, falta coesão, mas estou confiante de que vamos ver forças se unindo. E certamente espero que será o caso do Brasil também

Sou otimista. Trabalhei no Brasil como pesquisador acadêmico por muitos anos. Fui convidado para ir ao Brasil quando a democracia foi restabelecida, para discutir como fortalecer as instituições. Estou bem confiante de que esse momento difícil será superado, mas não será fácil. Vemos uma fragmentação das instituições e a falta de partidos fortes e coesos.

Brasil e EUA enfrentam altas na inflação. Os dois países poderiam se ajudar na questão? O problema fundamental é que as cadeias de suprimento foram rompidas, em parte por causa das inseguranças no mundo —há a grande ironia de que a inflação agora é produto do rompimento das cadeias de derivados de petróleo. Biden mencionou várias vezes que precisamos nos mover para além da dependência deles.

Temos que enfrentar essas duas questões gêmeas, da mudança climática e do suprimento de energia. Não será feito da noite para o dia, mas as bases estão colocadas.

Vê espaço para mais parcerias econômicas? São dois grandes países buscando fortalecer seus laços econômicos. Há sempre uma conversa sobre ter ou não um acordo de livre comércio nas Américas, e o Brasil se colocava fora disso. E o Mercosul não é mais o que costumava ser. Os EUA têm relações importantes com os países do hemisfério Ocidental, e todos se beneficiariam disso. Não é uma questão de ser o quintal do Brasil ou dos EUA, esse tipo de mentalidade não é o que precisamos no século 21.

Como avalia a forma com que Biden tem atuado em relação à Venezuela? Todo governo encara uma ampla lista de desafios pelo mundo e não pode resolver todos os problemas. Mas isso não significa que não haja preocupações com uma situação como a da Venezuela.

O que esse governo percebeu, e que não havia sido notado pelo anterior [de Donald Trump] é que não se trata de uma questão de fazer algo como encorajar um golpe militar e isso resolveria a questão. Alguns dos erros do governo anterior tornaram mais difícil dar apoio à oposição na Venezuela, que é dividida. A Venezuela é essencialmente uma economia falida, um Estado falido, que vai requerer muito trabalho. Não víamos um colapso tão grande de um país na América Latina talvez desde o caso do Paraguai depois da guerra com a Tríplice Aliança no século 19. Mas isso não significa que haja negligência, só que as políticas adotadas antes eram incorretas.

O Brasil poderia atuar junto aos EUA no tema? Há um interesse nacional significativo para Brasil e EUA na questão. Quando fui secretário-assistente [de Estado], tive uma relação muito boa com os ministros da Defesa [do Brasil]. Eles estavam tentando ver se a situação na Venezuela poderia ser resolvida e se haveria risco de um potencial conflito entre Venezuela e Colômbia. Havia também preocupação com a crise de migração.

Como avalia a forma com que Biden tem lidado com a questão da imigração? Houve muitos danos às políticas da área no passado, e é difícil reajustá-las. Há uma crise porque muitas pessoas querem deixar seus países. Estamos vendo um país europeu ser bombardeado até a submissão, em que os alvos não são as Forças Armadas, mas as pessoas. Há países com organizações criminosas significativas, tráfico de drogas, questões de regressão econômica.

Os EUA são uma nação de imigrantes e devemos continuar a sê-lo, ter portas abertas. O governo Biden está comprometido com isso, mas você não pode ir de uma coisa à outra tão rápido, essas políticas precisam de muito tempo para serem implantadas.

Rafael Balago/Folhapress